Cheiro de lixo e greves atormentam a França na véspera da abertura da Euro 2016

Por Brian Love e Richard Lough

PARIS (Reuters) - Em meio ao cheiro de podre, ao odor do lixo não recolhido em partes de Paris e aos preparativos para uma greve de pilotos, o presidente da França, François Hollande, disse que faria o que fosse preciso para garantir que protestos não atrapalhem a Euro 2016, torneio de futebol entre seleções europeias, que começa na sexta-feira.

"A França foi escolhida para sediar esse grande evento e vai corresponder à grandeza da tarefa”, afirmou Hollande, acrescentando que um desenrolar tranquilo do terceiro maior evento esportivo do mundo iria também ser uma vitrine para o país que é candidato a receber a Olimpíada de 2024.

“Se medidas tiverem que ser tomadas amanhã, elas serão tomadas.”

O seu governo se pronunciou 24 horas antes da primeira partida do torneio com duração de um mês que milhões de torcedores e turistas esperam acompanhar apesar das disputas trabalhistas e piquetes que afetam o transporte público e a coleta de lixo e complicam o trânsito em avenidas estratégicas.

“Algumas pessoas simplesmente não estão nem aí se o país delas está prestes a sediar um grande evento que cria empregos e traz grandes benefícios econômicos”, disse o ministro do Esporte, Thierry Braillard.

O recado não obteve resultados. O sindicato linha-dura CGT declarou que estenderia a paralisação da coleta de lixo na capital até 14 de junho, e os pilotos da Air France confirmaram uma greve de quatro dias a partir de sábado após negociações salariais ruírem.

Ao mesmo tempo que os serviços de trem melhoraram depois de uma greve de nove dias por causa da carga horária de trabalho ter perdido fôlego, um sindicato disse que poderia interromper os serviços e tornar mais difícil para que torcedores cheguem até o jogo de abertura da Euro entre a França e a Romênia nesta sexta.

A Air France afirmou que teria que cancelar até 30 por cento dos voos durante a paralisação de quatro dias dos pilotos, mas que esperava minimizar os problemas para as viagens até cidades-sedes do torneio.

“Claro que vamos cuidar da Euro”, disse o chefe da companhia aérea, Frederic Gagey, à imprensa, acrescentando que a disputa custaria à empresa 5 milhões de euros por dia.

O ministro das Finanças, Michel Sapin declarou que os confrontos ameaçavam minar uma retomada econômica nascente, após números oficiais indicarem que a criação de empregos estava aumentando, e a taxa de desemprego de 10 por cento começado a cair, um ano antes da eleição.

O país vive semanas de protestos por conta dos planos para mudar as leis trabalhistas, agravados por disputas setoriais sobre temas como reorganização da carga horária de trabalho e descanso na estatal ferroviária.

O presidente Hollande afirma que a reforma é chave para lidar com o desemprego que ele prometeu reduzir quando eleito em 2012. Sapin disse que a criação de empregos nos primeiros três meses do ano foi melhor do que em qualquer trimestre desde 2008.

"Este não o momento de se colocar tudo a perder, com o crescimento voltando”, declarou Sapin.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos