Depois de ameaças, segurança de deputados alemães com raízes turcas torna-se uma preocupação

BERLIM (Reuters) - Legisladores alemães de origem turca, que foram ameaçados depois que o Parlamento declarou que o massacre de armênios, realizado em 1915, foi um genocídio, foram avisados a não viajarem para a Turquia e receberão mais proteção policial, segundo a imprensa, neste sábado. 

A resolução no Parlamento alemão este mês, classificando os assassinatos de 1915 realizados pelas forças otomanas como genocídio, reforçou as tensões entre Berlim e Ancara. 

O presidente turco Tayyip Erdogan disse que os 11 legisladores de origem turca que votaram a favor da resolução deveriam ser submetidos a testes de sangue, acusando-os de terem "sangue sujo" e serem terroristas.

O líder do Partido Verde alemão, Cem Oezdemir, que apoiou a resolução, também recebeu ameaças de morte.

A revista Der Spiegel disse que o ministro de Relações Exteriores aconselhou os legisladores a não viajarem para a Turquia porque sua segurança não poderia ser garantida. O ministro não respondeu imediatamente aos pedidos por um comentário.

"É indescritível saber que não é possível voar para lá agora", disse o comissário da integração da Alemanha, Aydan Oezoguz, segundo a revista.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos