Presidente da Venezuela diz que referendo será em 2017, se cumpridos os requisitos

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou no sábado que o referendo para revogar seu mandato será realizado em 2017, apesar de a oposição ter solicitado à autoridade eleitoral do país que a votação seja feita neste ano.

"Aqui não vai haver chantagem: se cumprirem seus requisitos, o referendo revogatório será no ano que vem, e ponto", disse Maduro em um ato com apoiadores.

Se o referendo for feito este ano e Maduro perder serão realizadas eleições presidenciais imediatamente.

Críticos de Maduro alegam que os responsáveis por determinar prazos e verificar os procedimentos estão demorando com o processo para favorecer o presidente. Se o referendo for no ano que vem, e Maduro perder, pode nomear um vice-presidente para finalizar seu mandato até 2019.

"O dia que ocorrer, no próximo ano, nós venceremos", disse

Maduro, apesar de ser o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) que deverá oficializar a convocação do referendo.

Maduro argumenta que o processo deveria começar em janeiro e que os tempos não favorecem a oposição.

Na sexta-feira, a presidente do CNE, Tibisay Lucena, disse que 605.000 assinaturas foram invalidadas por apresentar irregularidades, entre elas 11.000 por corresponder a

cidadãos mortos.

Dezenas de deputados, prefeitos e polí­ticos da oposição

denunciaram que suas assinaturas foram invalidadas pelo órgão

eleitoral, incluindo a do líder Henrique Capriles.

(Por Eyanir Chinea)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos