Conselheira da Oi renuncia após saída de presidente-executivo

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo de telecomunicações Oi anunciou nesta segunda-feira que a conselheira Robin Anne Bienenstock decidiu renunciar ao posto com mandato até 2018, em decisão divulgada após a também renúncia do presidente-executivo da empresa na sexta-feira.

Bienenstock, sócia da consultoria Gladwyne Partners, que assessora fundos de investimentos, segundo a Oi, será substituída pelo suplente Marcos Grodetzky, que já foi diretor financeiro do grupo de telecomunicações. A Oi não informou o motivo da renúncia da conselheira.

Na sexta-feira, a Oi anunciou que seu presidente-executivo, Bayard Gontijo renunciou ao cargo no que foi citado por fontes ouvidas pela Reuters como devido a uma relação tensa com parte do Conselho de Administração da companhia sobre a negociação da dívida da empresa.

A Oi encerrou o primeiro trimestre com prejuízo líquido de 1,64 bilhão de reais, impactada pelo resultado financeiro negativo de 1,9 bilhão de reais. A dívida líquida estava em março em 40,84 bilhões de reais, alta de 7 por cento ante o fim do ano passado, enquanto o caixa disponível ficou em 8,53 bilhões de reais, queda de 49,3 por cento sobre o trimestre imediatamente anterior.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos