ANÁLISE-Alimentos aumentam expectativas de inflação e ameaçam adiar queda do juro básico

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - O clima adverso que tem assolado o país acertou em cheio a inflação brasileira, que mostrou repiques inesperados recentemente sobretudo por conta dos preços dos alimentos, e têm levado especialistas a piorarem suas projeções e colocado em risco o afrouxamento da política monetária.

Economistas consultados pela Reuters ainda esperam sinalizações mais claras da nova equipe do Banco Central para calibrar suas apostas sobre a Selic, hoje em 14,25 por cento ao ano, mas já mostram preocupação com a nova pressão sobre os preços.

"A pressão recente dos alimentos pode ter algum efeito sobre as expectativas e o BC pode adiar o início do ciclo (de queda da Selic)", avaliou o economista-sênior do banco de investimento Haitong, Flávio Serrano, que vê o começo dos cortes em julho.

O IPCA mostrou em abril e em maio altas acima do esperado, de 0,61 e 0,78 por cento respectivamente, com alimentação exercendo forte influência. Até o mês passado, o índice acumulava em 12 meses avanço de 9,32 por cento, mas somente alimentação e bebidas tinham alta de 12,74 por cento no período. Em 2015, esse grupo subiu 12,03 por cento, contra 10,67 por cento do índice cheio.

Na pesquisa Focus do BC, que ouve semanalmente uma centena de economistas, as projeções para a inflação para este ano têm subido há cinco semanas, a 7,25 por cento --estourando a meta oficial de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou menos.

Com o repique inflacionário, no mercado futuro de juros as apostas majoritárias já são de que novo ciclo de afrouxamento monetário vai começar mais tarde, em outubro, e não mais em agosto.

SAFRA

O que frustrou as projeções iniciais de inflação foi o menor impacto da sazonalidade favorável da entrada da safra neste ano, afetada tanto pela falta ou excesso de chuva quanto pelo calor intenso ou frio, dependendo da região.

"A inflação vai desacelerar, mas de forma menos intensa que o inicialmente previsto", explicou o estrategista-chefe do banco Mizuho, Luciano Rostagno, que mudou no último mês a estimativa para o IPCA a 7,05 por cento neste ano, sobre 6,90 por cento.

No início do mês, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) reduziu as projeções para a produção de soja e milho em 2015/16, citando o clima adverso em várias partes do país.

A baixa oferta desses grãos em momento de demanda aquecida --ambos estão com preços firmes no exterior-- provocou elevação dos preços agrícolas no atacado e seguirá pressionando o varejo.

FEIJÃO

Se o choque nos preços da soja e do milho leva mais tempo para se refletir nos preços no varejo porque acontece através do impacto no custo de rações de animais, por exemplo, outros produtos têm efeito mais imediato. E o vilão da vez é o feijão, ingrediente típico no prato brasileiro.

Tanto a primeira quanto a segunda safras sofreram com o excesso de chuvas em Estados como o Paraná e Minas Gerais. Somente em maio, o preço do feijão-mulatinho subiu 9,85 por cento sobre o mês anterior e o carioca, 7,61 por cento, acumulando em 12 meses 48,79 e 41,62 por cento, respectivamente.

"Os alimentos são itens que não se pode tirar muito do consumo, e o feijão está surpreendendo", destacou a economista da consultoria Tendências Alessandra Ribeiro, revisando a alta do IPCA este ano em 0,4 ponto, para 7,4 por cento.

O preço do feijão-carioca continuou mostrando força no IPCA-15 de junho divulgado nesta manhã, ao subir 16,38 por cento sobre o mês anterior, impedindo desaceleração mais intensa da alta dos alimentos e bebidas, que subiram 0,35 por cento em junho, ante 1,03 por cento em maio.

Esse alívio com os alimentos, no entanto, "não deve durar muito", disse o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco Gonçalves, em nota a clientes.

Mesmo porque, outro item que vai demandar atenção são os alimentos in natura, como frutas e hortaliças, devido ao frio intenso e à chuva em algumas regiões brasileiras, como Sul e Sudeste, o que afeta a oferta e contribuiu para uma alta mais significativa da inflação.

"O choque de oferta na parte agrícola deve manter os preços pressionados à frente, e tudo está relacionado ao clima adverso", afirmou o economista do Itaú Elson Teles, que elevou suas contas e vê alta dos preços de alimentos em 10 por cento neste ano, com o IPCA a 7,2 por cento, contra os 6,9 por cento projetados anteriormente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos