Favorita para ser próxima premiê britânica, secretária do Interior promete respeitar referendo

Por Kylie MacLellan

LONDRES (Reuters) - A secretária do Interior do Reino Unido, Theresa May, favorita das casas de aposta para substituir o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse nesta quinta-feira que o referendo que provocou a desfiliação britânica da União Europeia não tem volta, mas que as conversas sobre a separação não começarão antes do final deste ano.

Ao lançar sua candidatura a premiê, Theresa afirmou que não vai haver uma segunda votação sobre a permanência na UE, nem tampouco uma tentativa de refiliação, e também descartou quaisquer aumentos de impostos de imediato.

"O Brexit (saída da UE) significa Brexit", disse a ministra de 59 anos, que apoiou a campanha do "fica" antes do referendo da semana passada, mas sem alarde.

"A campanha foi disputada, a votação foi realizada, o comparecimento foi alto e o público deu seu veredicto", disse. "Não deve haver tentativas de continuar na UE, tentativas de se refiliar pela porta dos fundos nem um segundo referendo".

Enquanto o Reino Unido ainda se recupera da decisão de deixar o bloco, aumenta a especulação segundo a qual quem quer que substitua Cameron pode tentar encontrar uma maneira de manter o país na união, que compra quase metade das exportações britânicas.

As casas de aposta estão depositando suas fichas em Theresa, ainda mais favorita para suceder Cameron depois que o ex-prefeito de Londres e um dos líderes do campo do "sai" Boris Johnson anunciou nesta quinta que não vai concorrer ao cargo.

Pesquisas de opinião indicam que a secretária também é a escolhida de membros do governista Partido Conservador que tomarão a decisão final assim que os parlamentares tiverem limitado a corrida a dois candidatos.

Theresa disse que não deveria haver nenhuma eleição nacional antes de 2020, a data marcada para o fim do mandato do Parlamento atual, porque isso aumentaria a instabilidade causada pela saída da UE, e também rejeitou um orçamento de emergência, proposta feita antes do referendo pelo ministro britânico das Finanças, George Osborne.

Ela também disse que não se deveria tomar decisão nenhuma sobre a invocação do Artigo 50, o processo formal de rompimento com o bloco, até o Reino Unido ter uma estratégia de negociação clara.

"(Isto) significa que o Artigo 50 não deveria ser invocado antes do final deste ano", afirmou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos