Multiner deixa de pagar debenture de 250 milhões de reais, diz agente fiduciário

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - A Multiner SA, controladora de usinas de geração de energia no norte e nordeste do país, deixou de pagar uma debenture de 250 milhões de reais que venceu em 1o de julho, de acordo com o agente fiduciário.

O não recebimento se refere à segunda emissão de debêntures não conversíveis em ações da companhia, que foram distribuídas ao mercado em 1o de junho de 2010, segundo um relatório do agente fiduciário GDC Partners, de abril de 2016.

As dívidas totais da holding somavam 461 milhões de reais no fim do primeiro trimestre. A empresa possuia apenas 1,9 milhão em caixa em 31 de março, de acordo com informações prestadas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"Informamos que a emissora e os investidores estão negociando o alongamento da dívida, motivo pelo qual não houve o pagamento no dia primeiro de julho," disse o agente fiduciário à Reuters.

O parque gerador em operação da empresa é composto por três usinas operacionais, sendo duas eólicas e uma termelétrica localizadas nas regiões nordeste e norte. As usinas tem juntas uma capacidade instalada de 236,8 MW, segundo a companhia.

A Multiner foi criada em 2007 pelo ex-controlador do banco BVA, José Augusto Ferreira dos Santos. A empresa atrasou a implementação de uma série de termelétricas que havia se comprometido a construir em leilões de energia promovidos pelo governo federal, o que levou à revogação das autorizações para esses empreendimentos e à aplicação de uma série de multas à companhia pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Procurada na terça-feira, a Multiner SA decidiu não se manifestar a respeito das debentures até a publicação da reportagem. Ricardo Pigatto, presidente interino da holding, disse apenas que a empresa, com sede no Rio de Janeiro, estava passando por uma reestruturação. Ele afirmou ainda que em 21 de julho uma reunião do Conselho da companhia deve eleger nova administração.

O controle acionário da empresa é exercido pelo Grupo Bolognesi (52 por cento), com sede em Porto Alegre. A outra participação do capital total pertence ao Multiner Fundo de Investimento em Participações, que detém 48 por cento. O FIP é constituído sob a forma de condomínio fechado e formado por oito fundações de previdência, entre elas Petros, Postalis, Funcef, Infraprev, Faceb, Refer, Fundiágua e Regius, de acordo com informações da companhia.

Não é a primeira vez que a Multiner SA enfrenta problemas. De acordo com o relatório final da CPI dos fundos de pensão, a empresa já havia passado por uma restruturação societária e financeira em 2012. À época, seu controle passou a ser exercido pelo grupo Bolognesi, que fez um aporte no Multiner FIP e passou a controlar a holding.

O Multiner FIP foi constituído em 2008 e tinha um patrimônio inicial de 412 milhões de reais, com um prazo de duração de 7 anos, de acordo com a descrição no relatório. O Multiner FIP aparece no relatório final da CPI como mais um exemplo de investimentos "de alto risco" dos fundos de pensão de empresas estatais, principalmente Funcef.

(Com reportagem adicional de Luciano Costa)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos