Promotor pede julgamento da France Telecom sobre onda de suicídios, dizem fontes

PARIS (Reuters) - Promotores em Paris querem que a France Telecom, antigo monopólio agora conhecido como Orange, e seu ex-presidente Didier Lombard sejam julgados por assédio psicológico em conexão com uma onda de suicídios de funcionários de 2008 a 2009, afirmaram fontes nesta quinta-feira.

Lombard dirigia a empresa quando mais de 30 funcionários cometeram suicídio durante aquele período, uma década após a privatização. Os sindicatos dizem que realocações forçadas e metas de desempenho impossíveis estavam por trás das mortes.

Duas fontes próximas à investigação e uma fonte judicial disseram que o promotor de Paris tinha recomendado a magistrados que levassem Lombard e a empresa a julgamento para enfrentar acusações de assédio psicológico.

Eles disseram que seis outros executivos, três deles ainda na Orange, devem enfrentar também a mesma acusação de assédio ou acusações menores, incluindo colaboração no assédio.

Um juiz vai agora decidir se segue a recomendação do Ministério Público ou rejeita o caso.

A fonte judicial disse que os executivos são suspeitos de criar um "clima de extrema tensão" com o objetivo de fazer os empregados deixarem a empresa, constituindo uma "degradação perigosa das condições de trabalho".

O advogado de Lombard não quis comentar. Um porta-voz da Orange disse que a empresa tinha sido notificada da recomendação do promotor, mas se recusou a comentar o caso.

(Reportagem de Chine Labbé)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos