Dólar fecha em alta de 0,47% ante real com ação do BC; exterior limita avanço

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta frente ao real nesta segunda-feira, reagindo à retomada das intervenções do Banco Central brasileiro, mas o avanço foi limitado por expectativas de estímulos econômicos no Japão.

O dólar subiu 0,47 por cento, a 3,3100 reais na venda, após desabar mais de 2 por cento no pregão anterior com a ausência do BC no mercado.

O dólar futuro subia cerca de 0,35 por cento no fim da tarde.

"O BC está freando um pouco o ânimo do mercado, que está socando o dólar (para baixo) sempre que vê oportunidade", disse o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

O BC vendeu nesta manhã a oferta integral de até 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares. A intervenção é idêntica às promovidas nos cinco pregões até quinta-feira passada, período em que o dólar saltou da mínima em um ano de 3,21 reais a mais de 3,35 reais.

A maioria dos operadores entende que a autoridade monetária quer evitar exageros no mercado cambial, sem ter em vista um patamar específico. Com essas ações recentes, o BC reduziu o estoque de swaps cambiais tradicionais --equivalentes à venda futura de dólares-- para menos de 60 bilhões de dólares.

A intervenção contribuiu para limitar o impacto da esmagadora vitória do bloco governista no Japão em eleições parlamentares, que levou o dólar a recuar contra diversas moedas emergentes.

"O tom do mercado está mais construtivo recentemente. A questão do Japão ajuda, mas parece que a boa vontade do mercado com ativos emergentes está cada vez melhor", disse o operador de um banco internacional.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, determinou nova rodada de gastos de estímulo fiscal após a vitória esmagadora no fim de semana na câmara alta do Parlamento, conforme aumentam as evidências de que o setor corporativo sofre com a demanda fraca.

No cenário local, operadores destacaram a sucessão da presidência da Câmara dos Deputados como a principal questão nesta semana. O deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou à presidência da casa na semana passada e a eleição de seu sucessor está marcada para quarta-feira.

"A renúncia (de Cunha) pode permitir que o presidente interino Michel Temer consolide uma base de coalizão na Câmara se um aliado for eleito como novo presidente da casa", escreveram analistas do banco JPMorgan em nota a clientes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos