Citibank fechará contas do governo da Venezuela, diz Maduro

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse na segunda-feira que o Citibank NA planeja fechar contas correntes estrangeiras de seu governo dentro de um mês, denunciando uma ação de um de seus principais intermediadores financeiros como parte de um bloqueio.

"Sem aviso, o Citibank informou que em 30 dias irá fechar as contas do Banco Central e Banco da Venezuela", disse Maduro em discurso, acrescentando que o governo usava o banco norte-americano para transações nos Estados Unidos e no mundo.

"Vocês acham que eles irão nos parar com um bloqueio financeiro? Não, senhores. Ninguém para a Venezuela."

Representantes do Citibank, uma unidade do Citigroup, não puderam ser contactados de imediato para comentários sobre a suposta medida contra a autoridade monetária da Venezuela e o Banco da Venezuela, que é o quarto maior banco de varejo estatal.

Com a crise que cerca a nação da Opep, várias companhias estrangeiras estão se retirando ou reduzindo operações na Venezuela.

Críticos dizem que o regime econômico imposto por Maduro e seu antecessor, Hugo Chávez, foram um desastre para a Venezuela, enquanto o governo culpa inimigos políticos e empresários locais por criar uma "guerra econômica".

Por conta de controles monetários rigorosos desde 2003, o governo venezuelano tem utilizado o Citibank para transações com moeda estrangeira.

(Por Diego Ore)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos