Congresso dos EUA ignora violência de armas e ameaça do Zika antes de recesso

WASHINGTON (Reuters) - O Congresso dos Estados Unidos está prestes a iniciar um recesso de sete semanas sem abordar a questão da violência das armas, o surto de Zika vírus e outros temas prementes em meio às desavenças persistentes do ano eleitoral.

Apesar dos episódios recentes de violência com armas de fogo, a Câmara dos Deputados não irá votar nesta semana uma proposta para mantê-las longe das mãos de pessoas em listas de suspeitos de terrorismo, disse seu líder, o republicano Kevin McCarthy, aos repórteres nesta terça-feira.

    De forma semelhante, o pedido do presidente norte-americano, Barack Obama, de 1,9 bilhão de dólares de fundos para combater o Zika vírus e os problemas de nascença que ele pode causar está emperrado no Congresso desde fevereiro.

    Republicanos e democratas também se desentenderam a respeito de projetos de lei sobre gastos que manterão o governo funcionando depois de 30 de setembro, quando o financiamento do ano fiscal atual expira.

    Quando assumiram o controle do Congresso, os republicanos prometeram fazer seu trabalho, mas têm tido dificuldade de cumprir a promessa neste ano de eleição presidencial, já que não aprovaram nenhum orçamento e nem mesmo cogitaram a indicação de Merrick Garland, sugerido por Obama, para preencher uma vaga de juiz na Suprema Corte.

(Por Richard Cowan e David Morgan)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos