Chesf, da Eletrobras, adia entrega de linhas de energia por falta de recursos

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal Chesf, subsidiária da Eletrobras, adiou a entrega de mais de mil quilômetros em linhas de transmissão de energia devido à falta de recursos para tocar as obras, segundo dados do governo compilados pela Reuters.

A situação da elétrica do Nordeste, reveladora de mais um aspecto das dificuldades da Eletrobras --que agora busca avançar em privatização de ativos para amenizar problemas financeiros-- pode gerar restrições no sistema e multas à empresa.

Mas especialistas não se surpreenderam com os atrasos, que somam em média quase 1.500 dias, lembrando que são fruto do excesso de ambição da estatal e de outras empresas do grupo Eletrobras nos últimos anos, em meio a uma política de governo que pressionou por preços mais baixos nos leilões dos empreendimentos.

"É resultado de uma mistura de pegar projetos demais e projetos com taxa de retorno não tão atrativa. Deram muito deságio (nos leilões)", afirmou à Reuters o diretor da consultoria PSR, Bernardo Bezerra.

Segundo levantamento feito pela Reuters com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a Chesf ficou com mais de 30 por cento dos projetos de transmissão arrematados em leilões de concessões promovidos entre 2010 e 2012, ano em que a companhia passou a ter participação vetada devido ao excesso de obras atrasadas.

Nesse período, consórcios com empresas do Grupo Eletrobras foram responsáveis por quase 60 por cento dos lotes arrematados nesses leilões, quase sempre com propostas agressivas de deságio em relação à receita máxima permitida para os projetos.

Agora, segundo ata de reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), ao menos 11 empreendimentos da Chesf, que deveriam estar prontos, tiveram conclusão adiada para 2017 e 2018 em função de "contingenciamento financeiro" da empresa.

O ex-diretor da Aneel Julião Coelho também aponta como previsíveis os problemas agora enfrentados pela Chesf.

"Isso é fruto dessa política que existiu de agigantamento estatal... tentaram se agigantar demais, exigindo retornos que não justificavam o investimento, eram muito baixos. A primeira consequência foram os atrasos, e agora a incapacidade de implantar os empreendimentos", afirmou.

Quando estava na agência, Coelho relatou um processo que acabou por limitar a fatias minoritárias a participação em leilões de empresas com excesso de atrasos.

A punição veio após o descumprimento de cronogramas pela companhia ter feito os consumidores pagarem milhões de reais por uma energia que não foi gerada e nem entregue devido à falta de linhas de transmissão.

Atualmente, segundo dados da Aneel, a Chesf soma uma média de 1.472 dias de atraso em seus empreendimentos de transmissão, considerando obras concluídas após junho de 2013 ou ainda em andamento que já deveriam estar em operação.

Pelos atrasos, a estatal já recebeu sete multas do regulador para as quais esgotaram-se os recursos possíveis.

EXPECTATIVA DE MUDANÇA

Para Coelho, no entanto, a nova equipe do Ministério de Minas e Energia tem dado sinais claros de que o governo interino do presidente Michel Temer buscará reduzir o papel das estatais e melhorar a governança dessas empresas.

O ministro da pasta, Fernando Coelho Filho, afirmou recentemente que a Eletrobras precisará reduzir seu tamanho e importância no setor elétrico do Brasil.

"Há uma nova postura em curso... com a nova equipe a gente percebe que não haverá mais mágica, o consumidor não vai mais pagar a conta dessas ineficiências... creio nisso, espero que assim seja", disse.

A Chesf teve prejuízo de cerca de 8 milhões de reais no primeiro trimestre. Procurada, a companhia não respondeu a pedidos de comentário.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos