Paraguai relata dois primeiros casos de microcefalia ligados ao Zika vírus

ASSUNÇÃO (Reuters) - O Paraguai registrou seus dois primeiros casos de bebês nascidos com microcefalia ligada ao Zika vírus, relataram autoridades do país nesta quarta-feira.

Autoridades norte-americanas de saúde concluíram que a infecção do Zika em mulheres grávidas pode causar microcefalia, má-formação congênita que faz com que bebês nasçam com cabeças menores que o normal e pode levar a problemas de desenvolvimento.

Ambos bebês estão em condição estável, disse a repórteres a diretora de Vigilância da Saúde do Ministério da Saúde do Paraguai, Agueda Cabello.

“Eles não precisaram de reanimação”, acrescentou. “Vamos continuar a avaliação do desenvolvimento psicomotor”.

A Organização Mundial da Saúde informou que há forte consenso científico de que o Zika também pode causar Guillain-Barré, rara síndrome neurológica que causa paralisia temporária em adultos.

As mães dos dois bebês são da região paraguaia de Alto Paraná, na fronteira com o Brasil.

(Reportagem de Daniela Desantis)

Receba notícias do UOL. É grátis!

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos