BC do Japão afrouxa política monetária mas alívio decepciona mercado

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O banco central do Japão expandiu o estímulo monetário nesta sexta-feira ao dobrar as compras de fundos de índices (ETFs), cedendo à pressão do governo e dos mercados financeiros para agir, mas decepcionou investidores que esperavam medidas mais audaciosas.

Enretanto, o Banco do Japão afirmou que vai realizar uma avaliação minuciosa dos efeitos da taxa de juros negativa e de seu forte programa de compra de ativos em setembro, sugerindo que uma grande revisão de seu programa de estímulo pode estar vindo.

O presidente do banco central, Haruhiko Kuroda, afirmou que o banco vai realizar a revisão não porque suas ferramentas acabaram, mas para chegar a maneiras melhores de alcançar a meta de inflação de 2 por cento --mantendo vivas as expectativas de mais afrouxamento monetário.

"Não acho que alcançamos os limites tanto em termos de possibilidade de mais cortes de juros quanto de elevação de compras de ativos", disse Kuroda a repórteres após a reunião de política monetária.

"Vamos é claro avaliar o que fazer em termos de medidas de política monetária, com base no resultado da avaliação."

Na reunião finalizada nesta sexta-feira, o Banco do Japão decidiu aumentar as compras de ETFs para que seu portfólio total aumente a um ritmo anual de 6 trilhões de ienes (58 bilhões de dólares), contra os atuais 3,3 trilhões de ienes. A decisão foi por uma votação de 7 a 2.

Mas o banco central manteve a meta da base monetária em 80 trilhões de ienes (775 bilhões de dólares), assim como o ritmo de compras de ativos, incluindo títulos do governo japonês.

Também manteve os juros de 0,1 por cento que cobra de uma porção de reservas em excesso que as instituições financeiras deixam no banco central.

"O Banco do Japão não correspondeu às expectativas", disse o economista sênior do Mizuho Securities, Norio Miyagawa. "Aumentar as compras de ETFs não dá nenhuma contribuição para atingir inflação de 2 por cento. O banco central não vai admitir isso, mas atingiu os limites do afrouxamento quantitativo e juros negativos."

Ao coordenar a sua ação com o pacote de estímulos prometido pelo governo de 272 bilhões de dólares, o Banco do Japão provavelmente busca maximizar o efeito de suas medidas sobre uma economia que luta para escapar de décadas de estagnação.

"O Japão está conduzindo uma poderosa combinação de política fiscal flexível e afrouxamento quantitativo", disse Kuroda. "O pacote de estímulo do governo ajuda a reforçar esse movimento e é oportuno para alcançar um crescimento sustentável com estabilidade de preços."

O Banco do Japão ainda manteve suas projeções otimistas para a inflação nos anos fiscais de 2017 e 2018 em uma revisão trimestral. Também manteve seu cronograma para atingir a meta de inflação de 2 por cento, mas alertou que as crescentes incertezas podem provocar atrasos.

(Reportagem adicional de Stanley White, Tetsushi Kajimoto, Minami Funakoshi, Lisa Twaronite e Shinichi Saoshiro)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7729)) REUTERS CMO TF AC

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos