Irã executa cientista nuclear acusado de espionar para os EUA

DUBAI (Reuters) - O Irã executou um cientista nuclear iraniano detido em 2010, quando retornou dos Estados Unidos, depois que um tribunal o condenou, sob a acusação de espionar para Washington, disse no domingo um porta-voz da Justiça iraniana.

Shahram Amiri, um pesquisador universitário que trabalhava para a agência de energia atômica do Irã, desapareceu durante uma peregrinação à Arábia Saudita em 2009 e reapareceu mais tarde nos Estados Unidos.

Ele, porém, retornou ao Irã em 2010 e recebeu uma recepção de herói antes de ser preso.

Um oficial norte-americano disse em 2010 que Washington havia recebido "informações úteis" de Amiri.

O Irã acusou a CIA de sequestrar Amiri, enquanto autoridades dos EUA disseram que Amiri tinha sido liberado para entrar e sair quando quisesse e que ele pode ter retornado devido a pressões sobre sua família no Irã.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos