Pelo menos 90 pessoas são mortas durante protestos na Etiópia

Por Aaron Maasho

ADIS-ABEBA (Reuters) - Mais de 90 pessoas foram mortas a tiros por forças de segurança em protestos nas regiões etíopes de Oromiya e Amhara no fim de semana, disseram moradores e representantes da oposição nesta segunda-feira.

O tumulto tomou conta de Oromiya por vários meses até o começo deste ano, por causa de planos para alocar terras agrícolas ao redor da capital regional para desenvolvimento. Autoridades abandonaram a proposta em janeiro, mas os protestos voltaram a acontecer por causa da prisão de manifestantes da oposição.

No fim de semana, manifestantes gritaram slogans contrários ao governo e empunharam bandeiras dissidentes. Alguns exigiam a libertação de políticos de oposição presos.

"Até agora, nós compilamos uma lista de 33 manifestantes mortos por forças de segurança armadas, incluindo policiais e soldados, mas estou bem certo que a lista vai aumentar", disse Mulatu Gemechu, vice-presidente do oposicionista Congresso da Federação Oromo.

As mortes aconteceram em pelo menos 10 cidades em Oromiya, disse ele, incluindo Ambo, Dembi e Nekemt.

Em Amhara, moradores disseram que a polícia disparou contra manifestantes durante protestos sobre territórios disputados que continuavam até o início desta segunda na cidade de Bahir Dar.

"Soldados dispararam contra os manifestantes. Os hospitais foram tomados por mortos e feridos", disse um morador, que afirmou que 60 pessoas morreram.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos