Líder do PMDB estima que quase 60 senadores votarão por continuidade do impeachment de Dilma

BRASÍLIA (Reuters) - O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou que o parecer pela continuidade do processo de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff deve ser aprovado por quase 60 votos do plenário em sessão iniciada nesta terça-feira.

Pelas contas do senador, 58 senadores devem referendar o parecer redigido por Antonio Anastasia (PSDB-MG), que considera haver elementos suficientes para a “pronúncia” da presidente, e o consequente encaminhamento do processo de impeachment à sua última etapa, o julgamento final.

“É (necessário) apenas maioria simples (para aprovar o parecer), espero que tenhamos pelo menos 58 votos para a pronúncia”, disse o líder do PMDB a jornalistas.

Eunício é um dos diversos senadores que abriram mão de dez minutos de discurso da tribuna, o que deve reduzir a duração da sessão. O senador falaria por sua bancada, que já havia aberto mão de subir à tribuna.

Antes, integrantes do PSDB desisitiram de seus discursos, e o senador Aécio Neves (MG), presidente nacional da sigla, representou a bancada, elogiando o parecer de Anastasia.

Previsões iniciais apontavam que a reunião do plenário para analisar a pronúncia poderia durar mais de 20 horas, mas com as desistências de falas de senadores favoráveis ao impeachment, a votação pode ser acelerada.

“A intenção é votar ainda hoje”, disse Eunício. “ Com essa retirada (das falas), vamos ganhar aí quase 3 horas, porque o PSDB já havia retirado.”

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por exemplo, arriscou dizer que o Senado deve concluir a votação da pronúncia antes da meia-noite.

Pouco antes das 18h, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que conduz a atual etapa do impeachment, afirmou que retomaria a sessão dali a meia-hora e que não haveria mais suspensão dos trabalhos.

Na semana passada, no entanto, senadores e Lewandowski acertaram que haveria um intervalo de uma hora a cada quatro horas de funcionamento da sessão.

Interessa ao governo interino de Michel Temer que o processo seja concluído logo, assim se coloca um fim a essa situação de transitoriedade. Dilma teve que se afastar da Presidência em maio.

O julgamento deve ter início no dia 25 deste mês e, segundo estimativas iniciais, deve durar cerca de cinco dias.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos