Nadador americano Lochte diz que teve arma apontada para a cabeça em assalto no Rio

Por Eduardo Simões e Caroline Stauffer

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O nadador norte-americano medalhista olímpico de ouro Ryan Lochte disse neste domingo que ladrões armados que fingiram ser policias apontaram uma arma para a sua cabeça dentro de um táxi no Rio de Janeiro quando voltava de uma festa de madrugada.

Lochte afirmou ao programa Today Show, da emissora de televisão norte-americana NBC, que estava retornando à Vila Olímpica com seus companheiros de natação Gunnar Bentz, Jack Conger e Jimmy Feigen depois de uma festa sediada na Casa da França quando homens armados com uniforme de policiais fizeram o táxi em que estavam parar.

Os homens mandaram os nadadores deitarem-se no chão e exigiram que entregassem dinheiro e pertences, mas Lochte disse que ele, inicialmente, se recusou a deitar-se no chão.

"O cara puxou a arma, destravou e colocou na minha cabeça. Disse: 'Para o chão', e eu coloquei minhas mãos para cima, fazendo sinal de 'tanto faz'. Ele levou nosso dinheiro, levou minha carteira -- deixou meu celular e minha credencial", disse Lochte.

A segurança tem sido uma grande dor de cabeça para os organizadores da primeira Olimpíada na América do Sul.

Além do assalto aos nadadores dos EUA, turistas suecos foram brevemente sequestrados quando visitaram uma favela, o ministro da Educação português foi roubado sob a ameaça de uma faca, balas perdidas atingiram o centro de hipismo e um ônibus foi atacado com pedras.

A mãe de Lochte disse que o nadador não se machucou, mas está abalado.

"Acho que estão todos abalados. Havia alguns deles", disse Ileana Lochte ao USA Today. "Eles só roubaram as carteiras e foi basicamente isso".

Os quatro atletas estão cooperando com as autoridades, disse o porta-voz do Comitê Olímpico dos EUA Patrick Sandusky. O Comitê Olímpico Internacional inicialmente negou que o assalto tivesse ocorrido.

Os também nadadores norte-americanos Ryan Murphy e Nathan Adrian disseram posteriormente a repórteres que sentiam que a segurança dos Jogos era adequada, apesar do incidente.

"O Rio é uma cidade incrível. Há problemas em qualquer lugar e fomos informados sobre a melhor maneira de minimizar esses riscos aqui", disse Adrian.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos