Polícia da Turquia detém funcionários em tribunais de Istambul em operação pós-golpe

ISTAMBUL (Reuters) - A polícia da Turquia realizou operações em três tribunais de Istambul nesta segunda-feira depois da emissão de mandados de prisão para 173 funcionários, parte de uma investigação sobre a tentativa fracassada de golpe de Estado do mês passado, relatou a agência de notícias privada Dogan.

Mais de 35 mil pessoas foram detidas, das quais 17 mil foram presas formalmente, e dezenas de milhares mais foram suspensas desde o golpe fracassado de 15 de julho, que as autoridades atribuem ao clérigo muçulmano Fethullah Gulen, residente nos Estados Unidos, e seus seguidores.

    O presidente turco, Tayyip Erdogan, exige que os EUA extraditem Gulen, e o expurgo está tensionando as relações com aliados ocidentais que autoridades da Turquia dizem parecer mais preocupados com a repressão do que com o levante malsucedido, que deixou 240 mortos.

    A polícia fez buscas nos escritórios de funcionários procurados para detenção no Palácio de Justiça de Istambul, no bairro de Caglayan, e em duas outras cortes do lado europeu da cidade, noticiou a Dogan.

    Também estavam sendo feitas buscas na casas dos detidos, informou a agência estatal de notícias Anadolu.

(Por Daren Butler)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos