Merkel diz que refugiados não levaram terrorismo islâmico para a Alemanha

NEUSTRELITZ, Alemanha (Reuters) - A chanceler Angela Merkel disse nesta quarta-feira que os refugiados não levaram o terrorismo para a Alemanha, acrescentando que o Islã pertence ao país, contanto que seja praticado em respeito à Constituição.

Mais de um milhão de pessoas fugindo da guerra e da pobreza no Oriente Médio, na África e em outros locais chegaram à Alemanha no ano passado. A atitude em relação a essas pessoas tornou-se ruim depois de ataques contra civis no mês passado, incluindo três realizados por migrantes.

O grupo militante Estado Islâmico assumiu a responsabilidade por dois desses ataques.

"O fenômeno do terrorismo islâmico, do Estado Islâmico, não é um fenômeno que veio para cá com os refugiados”, disse Merkel num evento eleitoral para o seu partido cristão-democrata no Estado de Mecklenburg-Vorpommern no leste da Alemanha.

Merkel disse que muitas pessoas viajaram da Alemanha para a Síria para treinamento com militantes islâmicos. Em junho, o ministro do Interior, Thomas de Maiziere, afirmou que se acreditava que mais de 800 pessoas haviam ido para a Síria e para o Iraque.

"Esse grupo tem nos preocupado por vários anos”, disse ela no evento em Neustrelitz, uma cidade a 100 quilômetros ao norte de Berlim.

(Reportagem da TV Reuters)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos