Polícia turca detém ao menos 24 jornalistas após fechar jornal pró-curdos

Por Ayla Jean Yackley

ISTAMBUL (Reuters) - A polícia da Turquia deteve ao menos 24 funcionários de um jornal pró-curdos desde seu banimento nesta semana por suspeita de apoio a militantes curdos, informou o jornal.

As detenções elevam o número de trabalhadores da mídia turca presos para 99, com base em números da Federação Europeia de Jornalistas, tornando a Turquia o país que mais prende jornalistas no mundo.

Uma autoridade do governo negou que a ação contra o jornal Ozgur Gundem tenha ligação com o estado de emergência declarado após tentativa fracassada de golpe em 15 de julho, mas uma agência monitora de mídia internacional avaliou que a ação é parte do amplo expurgo pós-golpe do presidente Tayyip Erdogan.

Um tribunal de Istambul baniu na terça-feira o jornal de esquerda, que possui circulação de 7.500 exemplares por dia, após ter feito propaganda para o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e agir "como o meio de comunicação de facto" do grupo, de acordo com documentos do tribunal.

O PKK é considerado organização terrorista pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos