China exibe primeiras imagens de jipe para missão em Marte em 2020

PEQUIM (Reuters) - A China exibiu as primeiras imagens de um jipe que pretende enviar a Marte em meados de 2020 e que foi concebido para explorar a superfície do planeta durante três meses, disse a mídia estatal, a nova meta do ambicioso programa espacial chinês.

Em 2003, a China se tornou o terceiro país a mandar um homem ao espaço com seu próprio foguete, seguindo os passos da ex-União Soviética e dos Estados Unidos.

O país vem alardeando seus planos de exploração lunar, e no final de 2013 finalizou seu primeiro "pouso suave" na Lua desde 1976 com a espaçonave Chang'e-3 e o jipe Jade Rabbit.

A próxima missão tripulada chinesa está agendada para outubro, e a nação asiática planeja um pouso tripulado na Lua até 2036. 

Em uma reportagem do final de terça-feira, a agência estatal de notícias Xinhua disse que o jipe de 200 quilos a ser enviado para Marte terá seis rodas e será abastecido por quatro painéis solares, dois mais que o jipe que a China enviou à Lua e 60 quilos mais pesado.

"Os desafios que enfrentamos são inéditos", disse Zhang Rongqiao, engenheiro-chefe da missão marciana, de acordo com a Xinhua.

A sonda irá levar 13 instrumentos, incluindo uma câmera de monitoramento remoto e um radar de penetração do solo, no que se espera ser uma missão de exploração de três meses que deve partir em julho ou agosto de 2020, acrescentou a reportagem.

"O jipe irá se separar do módulo orbital ao final de uma jornada de cerca de sete meses e pousar em uma área de baixa latitude no hemisfério norte de Marte, onde o jipe irá explorar a superfície", informou.

O Beijing News acrescentou que o hemisfério norte não é um local tão bom para utilizar painéis solares, mas que as condições geográficas são melhores.

Fazer progressos no programa espacial é uma prioridade para Pequim, já que o presidente chinês, Xi Jinping, pediu para o país se estabelecer como uma potência espacial.

A China insiste que seu programa tem fins pacíficos, mas o Departamento de Defesa dos EUA vem ressaltando a competência espacial crescente da China ao dizer que está desenvolvendo atividades visando evitar que adversários usem recursos localizados no espaço em uma crise.

À parte suas ambições civis, Pequim vem testando mísseis anti-satélite, e o Congresso norte-americano proibiu que a Agência Aeroespacial dos EUA (Nasa, na sigla em inglês) coopere com sua contraparte chinesa devido a preocupações com a segurança.

(Por Ben Blanchard e Gao Liangping)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos