Rebeldes tiram Estado Islâmico da fronteira com a Turquia

Por David Dolan e Orhan Coskun

ISTANBUL/ANCARA (Reuters) - Rebeldes apoiados pela Turquia tiraram neste domingo o Estado Islâmico da fronteira do país com a Síria, assegurando um corredor de 90 quilômetros de extensão e obtendo grandes ganhos nos planos de Ancara de expulsar os militantes sunitas e paralisar o avanço de combatentes curdos.

    Os rebeldes, formados por árabes sírios e turcos que lutam sob a bandeira do Exército Livre da Síria, assumiram o controle da fronteira entre Azaz e Jarabulus, depois de tomarem 20 vilarejos do EI, disseram militares turcos em comunicado.

    O feito dá à Turquia controle de uma faixa de terra que o país vê como fundamental contra o avanço da milícia YPG, apoiada pelos Estados Unidos.

    A Turquia combate há três décadas a insurgência curda no sudeste do país e teme que ganhos da YPG fortalecerão militantes dentro do seu território. Para o governo turco, a YPG é um grupo terrorista e extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que é proibido no país.

    "Estamos ali para proteger nossa fronteira, dar segurança de vida e propriedade para nossos cidadãos e assegurar a integridade da Síria", disse o primeiro-ministro, Binali Yildirim. "Nunca permitiremos a formação de um Estado artificial no norte da Síria."

    Embora os EUA e a Europa também considerem o PKK um grupo terrorista, Washington vê a YPG como uma entidade separada e crucial no combate ao Estado Islâmico na Síria. Essa divergência causou tensões com a Turquia, membro da Otan e parceira na coalizão anti-EI.

    O presidente turco, Tayyip Erdogan, diz que se preocupa com a formação de um "corredor do terror" na fronteira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos