Ministra do STF nega liminares para suspender direitos de Dilma a cargo público, diz mídia

(Reuters) - A ministra Rosa Weber do Supremo Tribunal Federal (STF) negou na sexta-feira seis pedidos de medida liminar para suspender a habilitação da ex-presidente Dilma Rousseff para o exercício de funções públicas, segundo reportagens da mídia neste sábado.

Os pedidos tinham sido feitos pelo PMDB, PSDB, DEM, PPS, Solidariedade e PSL, pelos senadores José Medeiros (PSD-MT) e Álvaro Dias (PV-PR) e pelo deputado Expedito Netto (PSD-RO).

Os partidos alegam que a votação fatiada ocorrida no plenário do Senado no juglamento do impeachment contraria a Constituição e defendem que a ex-presidente perca o direito de assumir funções públicas por oito anos devido ao resultado da primeira votação, que condenou a petista por crime de responsabilidade.

Antes de sua decisão, a ministra já havia rejeitado mandados de segurança relativos ao mesmo tema por não terem sido apresentados por partidos ou parlamentares.

Também na sexta-feira, a Advocacia do Senado encaminhou ao STF parecer defendendo a legalidade dos procedimentos adotados no julgamento do impeachment.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos