México põe foco na polícia em investigação sobre morte de 43 estudantes

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O México ampliou a sua investigação sobre o sequestro e aparente massacre de 43 aprendizes de professor em Iguala, cidade no sudoeste do país, em 2014 para examinar o papel das polícias federal e estadual, disse um promotor federal.

Durante o primeiro ano da investigação, autoridades focaram na polícia municipal de Iguala e na da cidade próxima de Cocula, que, segundo promotores federais, estavam associadas com uma gangue de drogas suspeita de matar os estudantes.

O desaparecimento dos 43 em 26 de setembro de 2014 provocou indignação internacional, atingindo a reputação do país e mergulhando o governo do presidente Enrique Peña Nieto numa crise.

Alfredo Higuera, o promotor federal especial que cuida do caso, disse numa entrevista que a investigação havia reunido cerca de cem declarações adicionais nas últimas semanas de 19 policiais federais e 39 policiais do Estado de Guerrero.

"Indivíduos de todas as forças fizeram declarações, incluindo obviamente pessoas do nível federal”, declarou Higuera, que assumiu o posto um mês depois de um grupo de especialistas internacionais nomeado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos apontar falhas profundas na investigação do governo.

(Por Anahi Rama e Lizbeth Diaz)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos