MPF faz 1ª denúncia de cartel contra empreiteiras envolvidas na Lava Jato

SÃO PAULO (Reuters) - Procuradores da força-tarefa da operação Lava Jato apresentaram nesta terça-feira denúncia por formação de cartel e fraude em licitação contra executivos ligados à Iesa Óleo e Gás e à Queiroz Galvão, na primeira acusação deste tipo apresentada pelos procuradores que investigam o esquema de corrupção na Petrobras.

Segundo nota divulgada pelo Ministério Público Federal no Paraná, a denúncia é contra cinco executivos ligados à Queiroz Galvão e três da Iesa. Os oito denunciados também são acusados de participação em organização criminosa, corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

"Segundo a acusação, os executivos permaneceram associados em uma organização criminosa voltada para a prática de corrupção, lavagem de dinheiro, cartel e fraudes à licitação da Petrobras entre 2006 e 2014", afirma a nota do MPF.

"Durante esse período, de acordo com as provas obtidas na investigação, em todos os contratos firmados pela Iesa e pela Queiroz Galvão na Petrobras houve o oferecimento, promessa e pagamento de propina para as diretorias de abastecimento e serviços."

Na denúncia, o MPF também pede o ressarcimento de 105 milhões de reais e 12,5 milhões de dólares pelos executivos da Queiroz Galvão, ao passo que para os acusados ligados à Iesa, o Ministério Público busca o ressarcimento de 47,6 milhões de reais e 2,4 milhões de dólares.

Os valores se referem à estimativa mínima de propina que teria sido paga pelos empreiteiros, segundo o MPF.

A peça acusatória será agora analisada pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná, responsável pelas ações da Lava Jato em primeira instância.

(Por Eduardo Simões)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos