Bovespa se afasta de máximas, mas fecha no azul de olho no exterior

Por Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa encerrou os negócios desta segunda-feira com seu principal índice no azul, mas longe das máximas da sessão, acompanhando o mercado externo, enquanto investidores aguardam decisões de política monetária nos Estados Unidos e no Japão na quarta-feira.

O Ibovespa subiu 0,47 por cento, a 57.350 pontos, após ter avançado 1,7 por cento e superado os 58 mil pontos na máxima do dia.

O volume financeiro foi de 7,59 bilhões de reais, ampliado pelo exercício de opções sobre ações na primeira parte dos negócios, que movimentou 2,27 bilhões de reais.

O Ibovespa se afastou das máximas da sessão após o arrefecimento do bom humor externo que levou o S&P 500 a fechar estável.

DESTAQUES

- VALE PNA subiu 2,15 por cento e VALE ON teve ganho de 1,52 por cento, em linha com ações de outras mineradoras no exterior, tendo como pano de fundo comentários do Credit Suisse mais favoráveis sobre o setor.

- CSN subiu 6,12 por cento, a maior alta do Ibovespa, após reportagem do jornal O Globo dizer que a siderúrgica está negociando a venda de uma participação minoritária na unidade de minério de ferro para a chinesa CBSteel.

- ITAÚ UNIBANCO PN teve valorização de 0,71 por cento, tendo no radar o anúncio da venda da totalidade de suas operações com seguro de vida em grupo para a subsidiária brasileira da Prudential. BRADESCO PN encerrou o dia com ganho de 0,53 por cento, longe das máximas da sessão, quando chegou a subir mais de 2 por cento.

- PETROBRAS anulou os ganhos e fechou em queda de 0,84 por cento nas preferenciais (PN) e de 0,07 por cento nas ordinárias (ON). Como pano de fundo do movimento dos papéis da estatal brasileira estiveram a alta do petróleo que perdeu força ao longo do dia e o anúncio de divulgação do plano estratégico da companhia na terça-feira.

- EMBRAER caiu 2,79 por cento, a maior baixa do índice, após acumular ganhos superiores a 7 por cento este mês até a sessão anterior, movimento que vinha sendo impulsionado por acordos para venda de jatos para a China anunciados no início de setembro.

- Também na ponta negativa, SUZANO caiu 2,19 por cento, enquanto FIBRIA perdeu 0,63 por cento. O Bradesco BBI assumiu a cobertura do setor de papel e celulose com viés cauteloso, com recomendação "underperform" para ambas as ações.

- OI, que não está no Ibovespa, caiu 12,43 por cento nas ações ordinárias e 12,78 por cento nas preferenciais. Os papéis da empresa têm mostrado fortes oscilações em meio ao processo de recuperação judicial da empresa de telefonia.

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos