ONU se diz seriamente preocupada com 5 milhões de famintos da Somália

Por Katy Migiro

NAIRÓBI (Thomson Reuters Foundation) - O número de somalis que não se alimentam o suficiente subiu para 5 milhões, ou mais de quatro de cada dez pessoas, devido à escassez das chuvas, disse a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira, e as crianças são as que correm mais risco de ter a saúde abalada e de morrer.

A cifra aumentou em 300 mil desde fevereiro, afirmou a ONU, em meio a conflitos em andamento entre o grupo militante Al Shabaab e o governo da Somália, que tem apoio da União Africana.

    "A situação é de preocupação séria e acontece em um momento no qual já estamos enfrentando múltiplos catalisadores de necessidades, incluindo seca e risco de inundação, conflito e restrição de acesso, assim como a volta cada vez maior de refugiados", informou a ONU em um comunicado.

    Dezenas de milhares de refugiados retornaram à Somália depois de partirem de Dadaab, o maior campo de refugiados do mundo e localizado no Quênia, que o governo local continua planejando fechar em dezembro.

    O Quênia diz que Dadaab, que abriga mais de 300 mil refugiados majoritariamente somalis, vem sendo usado como uma base do Al Shabaab em seus ataques em solo queniano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos