Premiê da China diz que laços com EUA irão avançar com qualquer novo presidente

Por David Brunnstrom

NOVA YORK (Reuters) - A China e os Estados Unidos continuarão a desenvolver relações positivas independentemente de quem vencer a eleição presidencial de novembro, disse o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, a um fórum econômico em Nova York na terça-feira.

Li não quis dizer qual candidato prefere.

O republicano Donald Trump ameaçou impor tarifas a produtos chineses e pressionar por negociações comerciais mais rígidas se for eleito. Sua rival democrata, Hillary Clinton, mudou de abordagem em relação ao comércio, voltando atrás no apoio que havia oferecido a um pacto comercial com países da região do oceano Pacífico.

Os dois candidatos vêm criticando a reivindicação de território contundente de Pequim sobre o Mar do Sul da China, um foco de tensão em potencial na Ásia e uma causa de fricção significativa nas relações entre chineses e norte-americanos.

Li, que se encontra em Nova York para a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), disse que a eleição dos EUA é um assunto interno do país, por isso o que pode dizer é muito limitado, mas observou: "Não importa quem seja eleito na eleição presidencial dos EUA, acredito que os laços China-EUA irão continuar a crescer continuamente e em uma direção positiva".

O premiê reagiu às queixas de líderes empresariais estrangeiros a respeito do acesso restrito ao mercado chinês dizendo que a China está aberta ao investimento do exterior, embora alguns setores econômicos ainda não estejam maduros.

"Este processo de eles se tornarem mais maduros também é um processo para eles se abrirem, e as áreas da economia chinesa abertas ao investimento estrangeiro só irão crescer, a China só irá abrir sua porta ainda mais. A porta não irá fechar", afirmou.

Referindo-se ao Tratado de Investimento Bilateral entre Washington e Pequim, que vem sendo negociado há tempos devido aos desentendimentos sobre o acesso a setores que os dois lados consideram delicados, Li disse que, contanto que os dois países tenham uma abordagem forte e pragmática, serão capazes de chegar a um acordo mutuamente benéfico.

Como exemplo da disposição chinesa para abrir seus mercados, Li disse que a China decidiu designar um banco de investimento chinês como banco de compensação para negócios em yuan em Nova York e que dá as boas vindas a bancos estrangeiros da cidade que cumpram os requisitos para se tornarem bancos de compensação para a moeda.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos