Queda do dólar fica para trás, mas espaço para alta em 2016 é contido

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar deve ter deixado para traz a forte trajetória baixista que o conduziu durante todo o primeiro semestre --período no qual recuou 18,61 por cento ante o real-- e repetir no último trimestre de 2016 o mesmo comportamento dos três meses encerrados em setembro e subir levemente.

Uma pequena elevação é condizente com as projeções do Relatório Focus do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira, no qual o mercado estimou um dólar a 3,25 no final do ano.

"Por mais que as coisas nos Estados Unidos estejam indo relativamente bem e a política monetária brasileira tenda ao afrouxamento, não acho que haja espaço para um dólar mais fraco. A moeda deve ficar entre 3,25 reais e 3,30 reais até o final do ano”, comentou o diretor da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva.

"O BC não tem interesse num dólar mais fraco. De certo modo, o nível ao redor de 3,20 reais é um dólar de equilíbrio", avaliou. O dólar fechou a primeira sessão do quarto trimestre, nesta segunda-feira, em queda de 1,4 por cento, a 3,2057 reais.

O desfecho das decisões de política monetária norte-americana e brasileira, no entanto, é uma incógnita que pode levar o dólar a se apreciar ou se desvalorizar ante o real.

No caso do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, o mercado ainda não teria precificado totalmente a alta dos juros e isso pode gerar uma pressão de compra de moeda.

"Quando se aproxima do final do ano, vai ficando mais claro que a política monetária norte-americana tem que se normalizar. O espaço vai diminuindo e isso pode fazer o dólar se apreciar ante o real", avaliou o economista-chefe do Banco Santander, Maurício Molan.

Esse movimento comprador pode encontrar respaldo em outros fatores, como no sucesso da decisão do banco do Japão de criar uma meta para a taxa de juros de longo prazo; na Europa, que ainda patina na recuperação econômica; e no preço das commodities.

"Em geral, quando os emergentes crescem muito menos do que 5 por cento do ano, os preços de commodities, em geral, caem. Como há essa fragilidade de crescimento global, nos parece compatível com um retorno baixista para o preço de commodities no médio prazo e pressão no dólar", argumentou Molan.

Por outro lado, o Banco Central do Brasil está bem próximo de começar a cortar a taxa básica de juros, atualmente em 14,25 por ano.

A primeira percepção é de que isso poderia afugentar investidores, já que o diferencial de juro em relação aos EUA diminui. Mas não é o que deve acontecer, já que esse diferencial ainda seguirá bastante alto e um corte sinalizará que as condições domésticas estão melhores, atraindo mais recursos de estrangeiros.

"Muitos entrarão no Brasil ainda buscando as taxas de juros elevadas, enquanto a bolsa deverá gerar atratividade em meio à melhora do país", comentou o diretor de operações da Mirae Asset, Pablo Spyer.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos