Metalúrgicos da Volvo no PR mantêm paralisação contra corte em reposição de inflação

SÃO PAULO (Reuters) - Trabalhadores da fábrica de caminhões e ônibus da Volvo na região metropolitana de Curitiba decidiram nesta segunda-feira manter greve iniciada na semana passada, em protesto contra proposta da montadora de cortar em 50 por cento a reposição da inflação em negociação de reajuste salarial.

A fábrica emprega cerca de 3.200 trabalhadores e produzia antes da paralisação 35 caminhões pesados, 12 caminhões médios e 5 ônibus por dia, informou o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba. A paralisação começou na terça-feira passada.

A montadora propõe reposição em 4,81 por cento ante 9,62 por cento do índice INPC, afirmou a entidade em comunicado à imprensa. Os trabalhadores exigem a reposição integral da inflação.

"Esse percentual de 100 por cento é o mínimo que se pode aplicar, abaixo disto é perda salarial", disse em comunicado à imprensa o presidente do sindicato, Sérgio Butka.

As vendas de caminhões e ônibus no Brasil este ano acumulam forte queda sobre o ano passado em meio à recessão e incertezas de empresários sobre investimento. De janeiro a setembro, as vendas de caminhões novos no país têm queda de 30 por cento, enquanto os licenciamentos de ônibus mostram baixa de 32 por cento.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos