Cunha pode não ter a chance de fechar delação com Lava Jato

Por Brad Brooks

CURITIBA (Reuters) - Apelidado de "homem-bomba" por sua suposta capacidade de implicar legiões de políticos em corrupção, o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha tem protagonizado uma ampla especulação de que poderia fechar um acordo de delação premiada com a operação Lava Jato para contar tudo o que sabe.

Só há um obstáculo: investigadores e procuradores dizem que preferem ver Cunha, acusado de receber 6,5 milhões de dólares em propina no esquema de corrupção na Petrobras, preso pelo maior tempo possível caso seja condenado.

Eles só querem fechar um acordo de delação caso o ex-deputado ofereça provas contra líderes de escalões mais altos ou contra um número extraordinário de políticos.

"Muitas pessoas e alguns articulistas dos principais jornais do país andaram falando assim, como se nós tivéssemos uma obrigação de fechar um acordo com Cunha", disse à Reuters o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos principais membros da força-tarefa da Lava Jato, em entrevista em seu escritório em Curitiba.  

    "Eu não vou trocar o Cunha por alguém abaixo dele, eu tenho que trocar por alguém da mesma hierarquia ou acima dele, essa é a lógica do sistema. A menos que ele venha me entregar 200 deputados, 200 deputados menores que ele, daí eu até poderia ter uma multiplicação no sentido quantitativo."

    Duas outras autoridades diretamente envolvidas na operação Lava Jato concordam com isso.

    Elas disseram que, a menos que Cunha seja capaz de apresentar indícios contra ministros do primeiro escalão do governo do presidente Michel Temer, ou contra o próprio Temer, é improvável que estejam dispostos a negociar qualquer acordo de delação com Cunha, dada a abrangência dos crimes que ele é acusado de ter cometido.

    "Moralmente fazer um acordo com o Cunha é muito caro", disse uma fonte.

    Outra enfatizou que seria difícil chegar a um acordo de delação com o ex-presidente da Câmara pelo fato de os procuradores acharem que ele só mencionaria certos políticos para se vingar por eles terem tirado seu cargo ou por não o terem protegido de alguma maneira da Lava Jato.

"O Cunha me parece uma pessoa que fazia extorsões de empresas, e com isso ele sustentou a sua bancada no Congresso", disse essa fonte. "Eu vou ter que ver a veracidade, se ele está ocultando ou não está ocultando crimes de alguns amigos, enquanto ele vai falando de pessoas que viraram suas inimigas. É um trabalho complicado."

    Marlus Arns, advogado de Curitiba que representa Cunha, não respondeu a pedidos de comentários sobre qualquer possível acordo de delação ou acusações contra seu cliente.

Procuradores também acusaram a mulher de Cunha, Cláudia Cruz, de lavagem de dinheiro, o que aumentou a crença de que o político do Rio de Janeiro irá fazer muita pressão para ser aceito como testemunha do Estado e implicar grande parte do establishment político.

    Que ele solte o verbo para os procuradores é a esperança de muitos brasileiros, que viram com enorme satisfação alguns dos empresários e políticos mais destacados do Brasil caírem em desgraça em um país no qual os poderosos desfrutaram de impunidade por corrupção e outros crimes durante séculos.

"Entendo esse raciocínio. Mesmo", disse Lima. "Mas a minha dúvida sobre o Cunha é se o que ele falar vai oferecer provas contra aqueles acima dele, e isso não tenho certeza que ele pode."

CAMINHO PARA O IMPEACHMENT

Em fevereiro de 2015, Cunha, membro do PMDB de Temer, que durante uma década foi o principal parceiro dos governos do PT, desafiou sua própria coalizão e concorreu com sucesso à presidência da Câmara.

    Meros seis meses depois, ele rompeu formalmente com o governo da então presidente petista, Dilma Rousseff, dizendo que ela estava usando a Lava Jato como uma "perseguição política" contra ele.

    Como presidente da Câmara, só Cunha poderia permitir o início do processo de impeachment contra Dilma, acusada de crimes de responsabilidade fiscal. Ele o fez no começo de dezembro de 2015, poucas horas depois de deputados do PT anunciarem que votariam pela continuidade do processo que levou à cassação de Cunha no Conselho de Ética da Câmara.

    Em maio deste ano Dilma foi afastada pelo Senado em meio à batalha do impeachment e seu vice Temer assumiu em seu lugar, mas Cunha não se livrou das alegações de corrupção.

    Temer se distanciou de Cunha e se recusou a socorrê-lo, desencadeando especulações de que o ex-deputado irá tirar do armário todos os esqueletos de corrupção possíveis do PMDB caso obtenha um acordo de delação.

    O próprio Cunha, pouco antes da votação que cassou seu mandato, afirmou a jornalistas que apenas criminosos fecham acordos de delação e que ele não é um criminoso.

    Mas isso foi antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) ordenar que seu caso fosse encaminhado ao juiz Sérgio Moro, o magistrado à frente da Lava Jato na primeira instância, em Curitiba.

    Moro tem a reputação de analisar casos com rapidez, declarar penas severas e não ter suas decisões revogadas por recursos.

Das 84 pessoas condenadas por Moro na Lava Jato, somente uma reverteu a condenação em instâncias superiores --uma taxa de 99 por cento, estatística muito bem conhecida por aqueles que são julgados por ele.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos