Afastando adversários, Hillary marca uma trilha com a Casa Branca à vista

Por Will Dunham

WASHINGTON (Reuters) - Hillary Clinton tem um dos currículos mais fortes de qualquer candidato a concorre para presidente dos Estados Unidos, com períodos como primeira-dama, senadora e secretária de Estado, mas também é uma figura polarizadora e tem um papel nos bastidores em Washington com décadas de bagagem política.

Se a democrata Hillary, de 69 anos, derrotar o republicano Donald Trump, 70 anos, na eleição de terça-feira, ela se tornaria a primeira mulher a ser eleita presidente dos EUA, tendo sido a única primeira-dama a ganhar o cargo eleito e a primeira mulher nomeada por um grande partido norte-americano.

Hillary falhou na sua primeira candidatura presidencial em 2008, perdendo a indicação de seu partido a Barack Obama.

Seu tempo na cena política norte-americana veio durante uma era do partidarismo intenso e das divisões escancaradas na sociedade dos EUA. Os norte-americanos têm opiniões dramaticamente diferentes de Hillary.

Os admiradores de Hillary a consideram um líder difícil, capaz e às vezes inspiradora, que tem suportado esforços implacáveis ​​de inimigos políticos para rebaixá-la. Seus detratores a consideram um oportunista inescrupulosa e sedenta de poder.

Hillary entrou na corrida de 2016 como a favorita de seu partido, mas era uma figura do governo, com décadas de bagagem política, em um momento em que os eleitores pareciam enamorados com estranhos. Ela evitou um desafio inesperadamente difícil contra o senador dos EUA, Bernie Sanders, que se descreve como um socialista democrático, para reivindicar a nomeação democrata em julho.

Durante décadas, Hillary lutou contra conservadores e adversários republicanos e resistiu a controvérsias, incluindo a infidelidade de seu marido Bill Clinton, um esforço fracassado de republicanos para removê-la do cargo, investigações sobre negócios passados ​​e seu uso de um servidor de email privado como secretária de Estado. Ela se queixou, em 1998, durante a presidência de seu marido, sobre uma "vasta conspiração de direita".

Muitos democratas a apoiam por defender os direitos das mulheres no país e no exterior, a justiça social e o acesso aos cuidados de saúde, mas as pesquisas de opinião mostram que a maioria dos eleitores norte-americanos não confia nela. [Http://polling.reuters.com/#!poll/TM752Y15_2]

Contra Trump, ela retratou sua candidatura como um baluarte contra uma ameaça única que ela disse que empresário colocou para a democracia norte-americana.

Como secretária de Estado do presidente Barack Obama de 2009 a 2013, ela lutou com as guerras civis na Síria e na Líbia, o programa nuclear do Irã, o crescente poder da China, a assertividade russa, o fim da guerra no Iraque, liquidação da guerra no Afeganistão e uma tentativa malsucedida para resolver o problema do conflito entre Israel e Palestina.

Hillary já se candidatou à Presidência quando, durante uma audaciosa audiência de 11 horas no Congresso em outubro de 2015, ela desviou a crítica republicana a um ataque de militantes em Benghazi, na Líbia, em 2012, no qual o embaixador dos Estados Unidos morreu.

Essa audiência e outra em janeiro de 2013 enquanto ela ainda era secretária de Estado se concentraram em alegações de lapsos de segurança do Departamento de Estado relacionados ao ataque.

A desconfiança dos adversários e dos meios de comunicação há muito tempo também fez com que Hillary mantesse a guarda.

Trump disse que faria a América grande outra vez com a força de sua personalidade, negociando a habilidade ea perspicácia do negócio. Ele ofereceu planos vagos para ganhar concessões econômicas da China, para construir um muro na fronteira do sul dos EUA para manter os imigrantes indocumentados e fazer com que o México pague por ele. Ele prometeu revogar Obamacare enquanto era o "maior presidente de postos de trabalho que Deus criou" e propôs recusar a entrada nos Estados Unidos de pessoas de nações do Oriente Médio devastadas pela guerra, uma versão modificada de uma proibição proposta anteriormente aos muçulmanos.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447764)) REUTERS PAL

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos