Mídias sociais ajudam a atrair jovens eleitores norte-americanos

NOVA YORK (Reuters) - Enquanto os membros mais jovens da geração Y ou "geração do milênio" passaram a ter idade suficiente para votar na eleição presidencial dos Estados Unidos este ano, os Estados e as plataformas de mídia social investiram esforços para o registro online, esperando atrair esses eleitores, que agora competem com os Baby Boomers em maior demografia no país.

Com as eleições daqui a dois dias, os especialistas políticos estão céticos de que um número recorde de pessoas da geração do milênio que se inscreveram para votar realmente resultará no grupo de 18 a 34 anos de idade comparecendo à votação em proporção à sua dimensão relativa na população dos EUA.

A geração do milênio representa cerca de 31 por cento dos cidadãos dos EUA elegíveis para votar, de acordo com o Pew Research Center, equiparados pela primeira vez com Baby Boomers, com idades entre 52 a 70 anos de idade. São estimados 225,8 milhões de eleitores elegíveis nos EUA.

A participação da geração Y têm até agora, entretanto, ficado muito abaixo do que a dos Baby Boomers nas eleições. Em 2008, um ano recorde para a participação da geração do milênio, apenas 50 por cento das pessoas elegíveis para votar compareceram, segundo o National Census Bureau. Isso comparado com taxas de participação de 69 por cento para Baby Boomers e 61 por cento para pessoas com idades entre 36 a 51, também conhecidas como geração X.

Este ano, uma série de esforços nas mídias sociais dos Estados e organizações sem fins lucrativos foram destinadas a mudar isso, incluindo lembretes do Facebook nas contas dos usuários, campanhas com hashtag no Twitter, celebridades criando Snapchat e post no Instagram incentivando as pessoas a votar.

De acordo com um levantamento de funcionários eleitorais estaduais dos Estados Unidos, essas campanhas das mídias sociais deram frutos, pelo menos no que diz respeito ao registro de jovens eleitores.

"Vamos ser francos, é onde [os eleitores mais jovens] estão, eles estão nas mídias sociais", disse Denise Merrill, secretária do estado de Connecticut, que usou campanhas de mídia social, incluindo um hashtag dedicado e banner do Facebook, para incentivar inscrições. "O que quer que façamos, estamos tendo resultados consideravelmente dramáticos."

(Reportagem de Por Amy Tennery e Melissa Fares)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos