Assange diz que WikiLeaks não está tentando influenciar eleição nos EUA

Por Axel Bugge

LISBOA (Reuters) - O fundador do Wikileaks, Julian Assange, disse nesta terça-feira que a publicação do grupo de material relacionado à candidata democrata à Presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, não se baseia em qualquer desejo de influenciar as eleições norte-americanas.

"Nos últimos meses, o WikiLeaks e eu, pessoalmente, passamos por uma enorme pressão para parar de publicar o que a campanha de Hillary Clinton diz sobre si mesma", afirmou Assange em um comunicado divulgado por seu consultor jurídico na Web Summit, uma conferência de tecnologia em Lisboa.

"Isto não é oriundo de um desejo pessoal de influenciar o resultado da eleição."

Nos últimos meses o WikiLeaks tem publicado milhares de emails hackeados de John Podesta, chefe de campanha de Hillary.

Assange disse que o Wikileaks não obteve informações sobre o candidato republicano Donald Trump. "Não podemos publicar o que não temos", afirmou.

Assange disse que o WikiLeaks continuará a publicar informações confidenciais, independentemente de quem vencer as eleições dos EUA.

"Os candidatos democratas e republicanos expressaram hostilidade em relação aos denunciantes", declarou ele.

Assange vive na embaixada equatoriana em Londres desde meados de 2012. Há algumas semanas, o governo do Equador reconheceu ter restringido o acesso dele à Internet, despertando especulações de que foi pressionado pelos Estados Unidos por causa do material de Hillary.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos