Temer diz que vitória de Trump não muda relação dos EUA com Brasil; Fazenda e BC estão prontos para atuar

Por Lisandra Paraguassu e Silvio Cascione

BRASÍLIA (Reuters) - A vitória de Donald Trump na corrida pela Presidência norte-americana não vai mudar a relação dos EUA com o Brasil, afirmou nesta quarta-feira o presidente Michel Temer, mas o Banco Central e o Ministério da Fazenda já deixaram claro que estão prontos para agir para neutralizar a volatilidade na economia com o novo cenário.

"A relação do Brasil com os Estados Unidos, assim como com os demais países, é institucional", afirmou pela manhã Temer em entrevista à rádio Itatiaia. "Estou mandando cumprimentá-lo (Trump) pela eleição, tenho certeza que não muda nada na relação Brasil e EUA."

O republicano Trump surpreendeu o mundo derrotando a franca favorita Hillary Clinton na eleição presidencial dos Estados Unidos na véspera, encerrando oito anos de governo democrata e colocando o país em um caminho novo e incerto.

A reação dos mercados financeiros no mundo todo foi imediata, com as bolsas de valores em queda e o dólar em alta diante de moedas de países emergentes, trazendo volatilidade sobretudo pela manhã. No Brasil, a moeda norte-americana chegou a subir mais de 2 por cento, batendo em 3,25 reais, e a Bovespa caiu mais de 3 por cento.

Após o discurso mais conciliador de Trump, parte do nervosismo dos mercados perdeu força, mas ainda existiam muitas dúvidas sobre o futuro da condução política e econômica da maior economia do mundo sob a batuta de Trump, que durante sua campanha à Casa Branca defendeu ideias protecionistas e radicais. Ele é considerado, até agora, imprevisível.

Sendo assim, a equipe econômica brasileira saiu a campo para tentar acalmar os ânimos dos agentes econômicos. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu que a economia brasileira está preparada para lidar com os impactos econômicos após a eleição dos Estados Unidos.

"O Brasil está preparado para lidar com qualquer volatilidade dos mercados", afirmou o ministro por meio de nota.

Meirelles também destacou que a equipe econômica vem acompanhando a evolução dos principais indicadores e os efeitos da eleição de Trump para o crescimento do Brasil, sobretudo nas projeções para 2017.

O presidente do Banco Central brasileiro, Ilan Goldfajn, afirmou pela manhã que também acompanha a reação dos mercados globais à eleição norte-americana e que tomaria as medidas adequadas. Na prática, isso já foi feito. O BC cancelou o leilão de swaps cambiais reversos --equivalentes à compra futura de dólares-- que faria nesta manhã.

"Caso necessário, tomaremos as medidas adequadas", afirmou Ilan a jornalistas, após encontro com Meirelles, sem comentar diretamente o resultado da eleição ou sobre o futuro da política monetária dos Estados Unidos.

Mesmo que ainda seja cedo para previsões mais consistentes, a vitória de Trump deve trazer uma série de consequências negativas para a economia brasileira, como saída de capital, prejuízos para o comércio exterior e redução do crescimento econômico, segundo analistas ouvidos pela Reuters nesta semana.

RADICALISMO

Em uma segunda entrevista, dessa vez para a rádio Jovem Pan, Temer relativizou o poder a ser exercido pelo futuro presidente norte-americano, conhecido por suas visões radicais contra acordos comerciais, imigrantes e outros temas.

"Acabei de ouvir alguém dizer que os Estados Unidos têm instituições sólidas e democráticas. De modo que quem assume o poder não consegue, convenhamos, exercer com todo autoritarismo. Ele exerce com a força da autoridade institucional do presidente da República, mas há uma série de condicionantes que o presidente há de obedecer", disse Temer.

"Então tenho certeza que a relação institucional do Brasil com os EUA continua a mesma, não haverá modificação nenhuma."

O governo brasileiro não escondia preferência pela candidatura de Hillary, já que considera Trump "imprevisível". No entanto, assessores presidenciais disseram à Reuters que Temer gostou do discurso mais equilibrado de Trump depois da vitória e acredita que a relação será "institucional".

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, também comentou a eleição de Trump e afirmou que "não vê consequências, para melhor ou para pior", em relação ao Brasil.

"A aliança entre o povo brasileiro e o povo americano já é histórica, nós temos uma grande parceria comercial, temos uma grande parceria na troca de turistas. Isso não vai mudar", afirmou ao sair de evento na Fundação Ulysses Guimarães.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos