Mídia estatal chinesa alerta Trump contra isolacionismo e pede manutenção do status quo

PEQUIM (Reuters) - A mídia estatal chinesa alertou o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, contra o isolacionismo e intervencionismo, pedindo que, em vez disto, os Estados Unidos trabalhem ativamente com a China para a manutenção do status quo internacional.

Trump ameaçou quebrar acordos comerciais e buscar uma política externa mais unilateral sob o princípio de "primeiro os EUA" durante uma conturbada campanha eleitoral.

Mas a China e outros governos estrangeiros se mostram incertos sobre o quanto da retórica de Trump será traduzido para a política, porque em alguns momentos o republicano fez discursos contraditórios e deu poucos detalhes sobre como irá lidar com o mundo.

Trump teve a China como alvo em alguns momentos da campanha, culpando Pequim pela perda de empregos nos EUA e prometendo impor tarifas de 45 por cento em importações chinesas. O republicano também prometeu acusar a China de manipular sua moeda em seu primeiro dia de governo.

Políticas isolacionistas norte-americanas "aceleraram a crise econômica do país" durante a Grande Depressão, alertou um comentário da agência de notícias oficial chinesa, Xinhua, embora tenha destacado que "conversas eleitorais são somente conversas eleitorais".

A mídia chinesa criticou no passado os Estados Unidos e outras potências do Ocidente por intervenção no Afeganistão e Iraque e interferência em questões internacionais, como a Ucrânia.

"A história prova que o intervencionismo militar internacional dos EUA faz com que paguem custos políticos e econômicos desastrosos", segundo comentário da agência.

(Reportagem da Redação de Pequim)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos