Vendas no varejo caem 1% e têm pior setembro em 14 anos

(Corrige o título para 14 anos, e não 12 anos)

SÃO PAULO (Reuters) - O ritmo de queda das vendas varejo brasileiro acelerou em setembro e o setor registrou o pior resultado para o mês em 14 anos, encerrando o terceiro trimestre com perdas acentuadas e indicando que a recuperação da economia do país ainda caminha a passos lentos.

As vendas varejistas recuaram 1,0 por cento em setembro sobre o mês anterior, após quedas de 0,8 por cento em agosto e de 0,7 por cento em julho. Essa é a pior leitura para setembro desde 2002 (-1,2 por cento) e igualou a perda vista em março deste ano, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Em relação a setembro de 2015, as vendas tiveram queda de 5,9 por cento, no 18º mês seguido de leitura negativa, em um ambiente dificultado pelos patamares elevados de inflação e juros, ainda que ambos estejam em trajetória de queda. No terceiro trimestre, a queda foi de 2,4 por cento.

Os resultados ficaram em linha com as expectativas em pesquisa da Reuters de baixa de 1 por cento na comparação mensal e de queda de 6,05 por cento sobre um ano antes.

"As perdas foram generalizadas e isso é um sinal de alerta. Depois de três meses consecutivos de quedas, o que concluímos é que o varejo se enfraqueceu por conta do ambiente econômico", disse a economista do IBGE Isabella Nunes.

O IBGE explicou que, entre as atividades do varejo restrito, seis mostraram perdas na comparação mensal, com destaque para a queda de 1,4 por cento de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; e de 2,1 por cento de Móveis e eletrodomésticos.

Somente o setor de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos mostrou alta, de 1,0 por cento, na comparação com agosto.

No varejo ampliado, que inclui veículos e material de construção, as vendas tiveram perdas de 0,1 por cento, com a queda de 3,1 por cento de Material de Construção compensando a alta de 2,9 por cento de Veículos e motos, partes e peças.

O quadro de fraqueza do varejo não deve apresentar reviravolta tão em breve. Como exemplo, a rede de móveis e eletroeletrônicos Via Varejo já afirmou que não tem notado melhora no fluxo de clientes em suas lojas e avalia que o quarto trimestre e o primeiro semestre do próximo ano seguirão difíceis.

Isso mesmo com os índices de confiança indicando melhora, segundo a Fundação Getúlio Vargas. Em outubro, a confiança do comércio subiu com a melhora da percepção sobre a situação atual, mas a dos consumidores avançou devido às expectativas sobre o futuro mais altas.

(Por Camila Moreira)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos