Facebook impedirá anúncios baseados em etnias em alguns setores

(Reuters) - O Facebook disse nesta sexta-feira que não permitirá mais que certos anunciantes excluam grupos étnicos ou raciais quando publicarem anúncios, após críticas de que a prática era discriminatória.

A mudança acontece em meio à observação cada vez mais criteriosa sobre como as políticas e algoritmos da maior rede social do mundo aparecem no feed de notícias de um usuário.

A vitória inesperada de Donald Trump na eleição presidencial dos Estados Unidos esta semana levantou questionamentos sobre quantos eleitores foram seduzidos por notícias imprecisas ou enganosas compartilhadas no Facebook, a maioria em favor de Trump.

O Facebook impedirá o uso da ferramenta de anúncios chamada "afinidade étnica" para anúncios oferecendo casas, empregos e extensão de crédito, áreas em que certos grupos têm enfrentado discriminação historicamente, disse o Facebook em uma mensagem em um blog.

"Existem muitos usos não discriminatórios de nossa solução de afinidades étnicas nestas áreas, mas nós decidimos que podemos evitar a discriminação de forma melhor ao suspender estes tipos de anúncios", escreveu a diretora de privacidade do Facebook, Erin Egan.

A empresa disse que ele agora usará ferramentas que automaticamente detectam e desativam anúncios que estão oferecendo casas, empregos ou crédito e que se apoiam em afinidade étnica, disse Egan, O Facebook também atualizará suas políticas para solicitar mais explicitamente que os anunciantes não adotem propragandas discriminatórias.

(Por Dustin Volz e Aishwarya Venugopal; reportagem adicional por Kristina Cooke)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos