Ministro de Economia da Rússia é acusado de pedir US$2 mi em propinas

MOSCOU (Reuters) - Investigadores russos acusaram nesta terça-feira o ministro da Economia da Rússia, Alexei Ulyukayev, de exigir uma propina de 2 milhões de dólares da Rosneft, maior petroleira privada do país, em um caso que ameaça expôr problemas no círculo mais próximo ao presidente Vladimir Putin.

Ulyukayev, um tecnocrata de 60 anos cujo ministério tem supervisionado a venda de ativos estatais, é a autoridade russa de maior nível a ser detida durante o exercício do cargo desde o colapso da União Soviética em 1991.

Ele pode enfrentar 15 anos de prisão se for considerado culpado.

O Comitê Investigativo, agência estatal que apura os maiores crimes, disse que Ulyukayev pediu a propina em troca de aprovar a compra pela Rosneft por 5 bilhões de dólares de uma fatia na petroleira de médio porte Bashneft.

A detenção do ministro foi anunciada nas primeiras horas da manhã de terça-feira, com a TV estatal e políticos pró-Kremlin apresentando a medida como parte de uma luta de alto nível contra a corrupção.

Mas outros dizem que a prisão evidencia uma briga na cúpula do poder, possivelmente envolvendo Igor Sechin, o presidente da Rosneft, que é próximo de Putin e considerado um dos homens mais poderosos da Rússia.

Investigadores disseram que Ulyukayev teria ameaçado usar sua posição para causar problemas para a Rosneft a não ser que ela pagasse a propina exigida.

Mas eles negaram que estejam desafiando ou investigando a legalidade da compra da Bashneft pela Rosneft.

O porta-voz do Kremlin disse que Putin foi informado do caso quando a investigação foi iniciada.

Acusações anteriores contra membros de alto escalão do governo de Putin foram uma cobertura para a resolução de embates comerciais ou políticos, segundo pessoas envolvidas nesses casos. O Kremlin e as autoridades responsáveis pelas investigações negam e dizem que miravam apenas criminosos.

A aquisição da Bashneft pela Rosneft no mês passado foi foco de uma grande disputa por território entre campos rivais do Kremlin, disseram à Reuters fontes próximas ao acordo e no governo.

Ulyukayev inicialmente se opôs à compra da Bashneft pela Rosneft, mas depois acabou assinando o negócio.

O ministro estava no cargo desde junho de 2013. Ele não é parte do círculo mais próximo de Putin, que é dominado por pessoas com uma visão favorável a um Estado com papel predominante na economia, mas também não é parte do campo rival, ligado a economistas liberais.

Um tribunal de Moscou deve decidir mais tarde nesta terça-feira por quanto tempo Ulyukayev será detido.

(Por Svetlana Reiter e Vladimir Soldatkin)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos