Às vésperas de novo relatório, Rússia nega esquema estatal de doping

GLASGOW, Escócia (Reuters) - A nova autoridade antidoping da Rússia Vitaly Smirnov disse à Wada neste domingo que o país "nunca teve um sistema de doping patrocinado pelo Estado", enquanto foi anunciada a data de publicação de um novo relatório de investigação sobre o esquema russo. 

Smirnov, figura importante no esporte soviético e russo como membro do COI (Comitê Olímpico Internacional) de 1971 a 2015, disse em encontro da Wada (Agência Mundial Antidoping) que o abuso no uso de medicamentos que melhoram o desempenho dos atletas é uma questão global, e não local.

"A Rússia nunca teve um esquema de doping patrocinado pelo Estado. O doping não é problema de um país em específico. Temos que combater esse mal juntos", disse.

Depois, Smirnov disse a jornalistas. "Se uma pessoa é criminosa, não significa que todo o país é. Nós sabemos que esse sistema não existiu."

A Wada recomendou que toda a delegação russa fosse excluída dos Jogos Olímpicos do Rio em agosto, após acusar o país de um programa sistêmico de doping patrocinado pelo Estado em um relatório independente assinado por Richard McLaren, publicado pouco antes da Olimpíada.

Embora o atletismo russo e os levantadores de peso tenham sido efetivamente banidos dos Jogos, o COI rejeitou a proposta de um banimento completo e, em vez disso, delegou às federações internacionais de esportes que decidissem se os russos poderiam competir ou não.

O diretor-geral da Wada, Olivier Niggle, disse que um segundo relatório do advogado canadense McLaren deve ser publicado no dia 9 de dezembro, desta vez com mais detalhes sobre o suposto esquema russo, inclusive com um enfoque nos esportes de inverno.

O ex-presidente da Wada Dick Pound, que revisou a investigação inicial de McLaren, expressou surpresa a respeito dos comentários de Smirnov.

"Do lado russo, é importante parar de negar as acusações e voltar a entrar em linha", disse Pound.

A Wada tem trabalhado com a Rússia para mudar o sistema antidoping do país desde os Jogos do Rio.

Rob Koehler, que está monitorando o caso, disse que o país tem feito algum progresso, mas inspetores internacionais ainda não estavam tendo acesso a algumas cidades ou a antigas amostras de doping. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos