Catar vai ajudar os rebeldses sírios mesmo que Trump encerre apoio

Por William e Maclean e and e Tom e Finn

SÃO PAULO (Reuters) - O Catar continuará armando rebeldes sírios, mesmo que Donald Trump encerre o apoio dos EUA para o esforço multinacional, disse o ministro de Relações Exteriores de Doha em uma entrevista, sinalizando sua determinação em levar adiante uma política que o presidente eleito dos EUA pode abandonar.

Mas o ministro dos Negócios Estrangeiros, o xeque Mohammed bin Abdulrahman al-Thani, disse que o rico Estado do Golfo não iria "sozinho" e forneceria mísseis aos rebeldes para defenderem-se contra os aviões de guerra sírios e russos.

Enquanto os rebeldes necessitavam de mais apoio militar, qualquer movimento para lhes fornecer armas antiaéreas "Manpad" teria que ser decidido coletivamente pelos apoiadores dos rebeldes, disse o ministro, membro da família real do Catar, à Reuters no sábado.

Algumas autoridades ocidentais receiam que os países do Golfo, desanimados com o apoio aéreo russo efetivo ao presidente sírio, Bashar al-Assad, possam fornecer essas armas. Washington teme que elas possam ser capturadas por grupos jihadistas e usadas ​​contra aviões ocidentais.

O Catar é um dos principais apoiadores dos rebeldes que combatem Assad, ao lado da Arábia Saudita, Turquia e nações ocidentais em um programa de ajuda militar supervisionado pela Agência Central de Inteligência dos EUA, que fornece grupos moderados com armas e treinamento.

O Catar estava determinado a continuar, disse o xeque Mohammed.

"Este apoio vai continuar, não vamos parar, não significa que se Aleppo cair, vamos desistir das exigências do povo sírio", disse.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos