PIB do agronegócio deve crescer entre 2,5% e 3% em 2016, diz CNA

BRASÍLIA (Reuters) - O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro deverá crescer entre 2,5 e 3 por cento em 2016, depois de um início de ano turbulento, estimou nesta terça-feira a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Segundo a entidade, esse indicador, que mede a geração de riquezas em todas as cadeias do setor agropecuário, desde a produção de insumos até as indústrias de alimentos, passando pela produção nas fazendas, apresenta um resultado expressivo tendo em vista a recessão econômica que o país enfrenta desde 2015.

A CNA estima que o agronegócio ganhou participação na economia do Brasil, passando para 23 por cento do PIB nacional, ante 21,5 por cento em 2015 e 21,4 por cento em 2014. Um ano atrás, a confederação chegou a projetar que a fatia do agronegócio no PIB brasileiro em 2015 seria de 23 por cento, mas o número acabou sendo revisado.

Segundo a CNA, o crescimento do PIB do agronegócio teve forte contribuição do açúcar, que registrou crescimento na safra nacional em combinação com uma escalada de preços internacionais, e do complexo soja, que continuou liderando a pauta de exportações brasileira, apesar de um leve recuo na produção e no faturamento com vendas no exterior.

Apesar de resultados relativamente positivos, a tendência para 2017 é que de muitos setores do agronegócio dependam do desempenho econômico do país para crescer.

"A gente pode voltar a ter um bom crescimento no consumo de aves e suínos, só que para isso, vai ter que melhorar a renda da população", disse o superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi.

A CNA não divulgou previsão para o crescimento do PIB do agronegócio em 2017.

O presidente da confederação, João Martins, destacou a importância da estabilidade política e econômica do Brasil.

"Nós acreditamos e queremos acreditar no governo Temer porque precisamos acreditar no governo Temer. Nada pior para o agro do que essa desarrumação política que possa vir a acontecer caso o governo Temer não dê certo", disse o executivo, em encontro com jornalistas em Brasília.

(Por César Raizer)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos