Equador envia tropas para projeto chinês de mineração de cobre após protesto

Por Alexandra Valencia

QUITO (Reuters) - O Equador enviou soldados e policiais para uma área isolada de floresta depois que um policial foi morto e vários agentes de segurança ficaram feridos durante um protesto violento contra um projeto chinês de mineração de cobre, em meio a conflitos entre mineradoras e comunidades indígenas.

O presidente equatoriano, Rafael Correa, declarou um estado de emergência de 30 dias na província de Morona Santiago, que abriga o projeto de exploração Panantza-San Carlos, operado pela empresa ExplorCobres. O governo disse que "grupos ilegalmente armados" protestaram contra o projeto na quarta-feira.

"Pessoas violentas querer tomar o campo de mineração", disse Correa no Twitter na quinta-feira. "Temos um policial morto e vários outros feridos. Criminosos!".

Em Pequim, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, disse que a China está atenta ao incidente e mantendo contato com o Equador a respeito, embora, até onde soubesse, nenhum chinês tenha sido ferido.

A China agradece as medidas do Equador para controlar a situação, disse Geng, notando a condenação de Correa.

"A China está disposta a trabalhar com o Equador para adotar medidas eficazes e criar um bom ambiente para uma cooperação bilateral prática", afirmou ele em um boletim à imprensa.

O presidente chinês, Xi Jinping, visitou o Equador no mês passado.

A mídia local noticiou que o grupo indígena Shuar, que acusa as autoridades de provocar violência por expulsá-los de seu lar ancestral para abrir caminho para projetos de mineração, realizou o protesto.

(Reportagem adicional de Ben Blanchard, em Pequim)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos