Amazonas tinha informação sobre plano de fuga de presos e não pediu ajuda federal, diz ministro

BRASÍLIA (Reuters) - O governo do Amazonas recebeu informações com antecedência sobre um plano de fuga do presídio em Manaus onde uma rebelião esta semana deixou 56 mortos, mas não informou o governo federal nem pediu ajuda para enfrentar a questão, afirmou nesta quarta-feira o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Após reunião sobre o tema com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, que visitará Manaus está semana, o ministro disse ainda que está claro que houve falhas por parte da empresa responsável pela administração do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), e que há uma investigação em andamento para determinar eventuais outros responsáveis.

"Há relatos de que a Secretaria de Segurança (do Amazonas) tinha informações de que poderia ocorrer uma fuga entre Natal e Ano Novo, exatamente por isso, segundo as autoridades locais, foi reforçada a segurança do local", disse Moraes a jornalistas, acrescentando que o governo federal, no entanto, não foi notificado.

"O governo federal em momento algum foi informado nem solicitado qualquer auxílio, seja da Força Nacional ou de qualquer outro mecanismo", afirmou.

Um motim iniciado na noite de domingo dentro do Compaj, que só terminou na segunda-feira, deixou 56 mortos como resultado de uma briga entre facções rivais.

A rebelião foi a mais violenta no país desde o episódio conhecido como Massacre do Carandiru, em São Paulo, em 1992, que terminou com 111 presos mortos, quase todos em decorrência do confronto com a polícia, que invadiu a casa de detenção para retomar o local.

Além dos mortos no Compaj, mais quatro presos foram mortos na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), na zona rural de Manaus, elevando para ao menos 60 o números de presos mortos esta semana no Amazonas.

Moraes, que esteve em Manaus por dois dias após a rebelião, afirmou que as autoridades estão investigando se o motim pode ter sido deflagrado para possibilitar a fuga de lideranças de uma facção criminosa.

"Nunca ocorre algo assim por um único motivo. Aqui nós temos uma somatória de fatores, há a questão das facções, obviamente, mas a questão também que agora ficou ciente por parte do poder público federal que havia um planejamento de fuga", disse.

FRONTEIRAS

Mais cedo nesta quarta-feira, o governador do Amazonas, José Melo, citou a falta de proteção nas fronteiras como o principal motivo para o fortalecimento do crime organizado no país por meio do tráfico de drogas e de armas.

Melo disse, em entrevista à rádio CBN, que a solução para o problema passa por reforçar a presença das Forças Armadas nas fronteiras, e propôs inclusive a criação de um novo fundo nacional para viabilizar esse deslocamento dos militares.

"Para resolver essa questão precisa de uma decisão nacional, um projeto nacional, em que se possa utilizar pelo menos 10 por cento das Forças Armadas... a minha sugestão para acabar com esse problema do ponto de vista nacional", afirmou. "Qualquer outra coisa que se fizer, é enxugar gelo."

Perguntado sobre a possibilidade de criação de um novo fundo para viabilizar o aumento da patrulha de fronteiras, o ministro da Justiça disse que não é necessário e citou a existência do Fundo Nacional de Segurança Pública.

Também nesta quarta, o papa Francisco expressou dor e preocupação pela rebelião em Manaus e fez um apelo para que todas as penitenciárias sejam locais de reeducação e ofereçam condições adequadas aos detentos.

(Reportagem de Alonso Soto)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos