Premiê de Israel defende perdão a soldado condenado por morte de palestino

JERUSALÉM (Reuters) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta quarta-feira que apoiava o perdão ao jovem soldado israelense condenado por assassinar a tiros um agressor palestino deitado no chão, ferido e imóvel, na Cisjordânia ocupada.

A decisão de julgar o sargento Elor Azaria, que matou o palestino depois que o agressor esfaqueou um outro soldado israelense em março passado, provocou desde o início polêmica em Israel, com políticos de direita defendendo depois do veredicto que o presidente Reuven Rivlin perdoasse o réu de 20 anos.

"Este é um dia difícil e dolorido, primeiro e principalmente para Elor, a sua família, soldados israelenses, muitos cidadãos e pais de soldados, entre eles eu. Eu apoio conceder um perdão para Elor Azaria”, disse Netanyahu na sua página no Facebook.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos