Temperaturas globais atingem recordes em 2016 em novos indícios de aquecimento global

OSLO (Reuters) - O ano passado foi o ano mais quente já registrado por uma margem ampla, com temperaturas se aproximando de um teto estabelecido por quase 200 países para limitar o aquecimento global, disse o serviço climático Copernicus da União Europeia nesta quinta-feira.

Os dados são os primeiros do novo ano a confirmar muitas projeções de que 2016 irá superar 2015 como o ano mais quente desde que registros confiáveis começaram no Século 19, disse ao serviço em relatório.

O Ártico foi a região que mostrou a alta mais acentuada nas temperaturas, enquanto muitas outras áreas do planeta, incluindo partes da África e da Ásia, também tiveram calor anormal.

Algumas partes da América do Sul e da Antártica estavam mais frias do que o normal.

As temperaturas médias da superfície global em 2016 ficaram em 14,8 graus celsius, ou 1,3 graus celsius acima do estimado antes da Revolução Industrial implementar o amplo uso de combustíveis fósseis, disse o órgão da UE.

Em 2015, quase 200 países concordaram em uma cúpula em Paris a limitar o aquecimento global para "bem abaixo" de 2 graus celsius acima dos tempos pré-industriais, enquanto realizavam esforços para manter a alta para 1,5 graus celsius como parte de uma mudança para energia limpa em detrimento do uso de combustíveis fósseis.

(Por Alister Doyle)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos