Autoridade religiosa da Arábia Saudita diz que cinemas e apresentações musicais são prejudiciais

DUBAI (Reuters) - A mais alta autoridade religiosa da Arábia Saudita chamou cinemas e apresentações de cantores de prejudiciais e corruptores, em uma ação que pode complicar esforços do governo de introduzir reformas culturais no reino conservador.

Os comentários do grão-mufti da Árabia Saudita, Sheikh Abdulaziz Al al-Sheikh, publicados em seu site, dizem que cinemas e entretenimento contínuo podem abrir a porta para filmes estrangeiros "ateístas ou podres" e encorajar a mistura dos sexos.

Cinemas e apresentações musicais públicas já são proibidos no reino islâmico conservador, mas o governo prometeu uma revolução no cenário cultural com um conjunto de reformas anunciado no ano passado como "Visão 2030" pelo vice-príncipe Mohammed bin Salman bin Abdulaziz.

O chefe da Autoridade Geral de Entretenimento, Amr al-Madani, gerou debates na semana passada ao levantar a possibilidade de abrir cinemas e palcos de shows neste ano.

O jornal Saudi Gazette citou Madani como tendo dito que o cantor saudita Mohammed Abdo irá se apresentar na cidade portuária de Jeddah em breve. Até o momento, cantores são limitados a se apresentar em reuniões privadas.

(Reportagem de Sami Aboud)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos