Governo estuda privatizar operação da transposição do São Francisco

BRASÍLIA (Reuters) - O governo está estudando a viabilidade de uma parceria público-privada (PPP) para a operação da muito adiada transposição do Rio São Francisco, que vai levar água para quatro Estados da região Nordeste quando for completada neste ano, disse porta-voz nesta sexta-feira.

O presidente Michel Temer vai visitar o projeto na segunda-feira para abrir a terceira das seis estações de bombeamento de um dos dois canais que vão levar água do São Francisco para os Estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Os canais de 470 km levaram uma década para serem construídos, e os custos excedentes já triplicaram para mais de oito bilhões de reais. O governo espera que a água comece a fluir pelo primeiro canal até março para levar um alívio a Campina Grande, cidade de 350 mil habitantes, que está perto de ficar sem água.

"Nós encomendamos estudos para ver se uma parceria público-privada seria viável na operação dos canais”, afirmou um assessor do ministro Hélder Barbalho, da Integração Nacional, responsável pelo projeto.

A Agência Nacional de Águas (ANA) iniciou consulta pública para determinar quanto cada Estado beneficiário deve pagar ao operador pelo serviço. O governo planeja reduzir os custos com a entrada de um operador privado.

A polêmica transposição do São Francisco foi prometida em 2006 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva como uma solução para a constante falta de água no Nordeste, que se encontra hoje no sexto ano de uma seca grave.

(Reportagem de Anthony Boadle)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447702)) REUTERS AC

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos