Dólar fecha perto da estabilidade ante o real, mas recua pela sétima semana seguida

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou a sexta-feira com leve alta ante o real, após operar em queda durante quase toda a sessão, refletindo dados mistos sobre o mercado de trabalho norte-americano, que reduziram as apostas de um aumento dos juros nos EUA em breve.

Perto do fechamento, contudo, declarações de um dirigente do Federal Reserve, o banco central norte-americano, indicando que os juros nos EUA poderiam subir em março, levaram a moeda norte-americana a se recuperar e fechar perto da estabilidade.

O dólar avançou 0,05 por cento, a 3,1235 reais na venda.

Na semana, o dólar recuou 0,90 por cento ante o real, na sétima semana consecutiva de queda, com recuo acumulado no período de 7,88 por cento. Na mínima desta sessão, o dólar recuou a 3,1049 reais. O dólar futuro operava perto da estabilidade, com leve alta de 0,02 por cento.

"O mercado está sensível. Depois da fala do dirigente do Fed, o dólar devolveu a queda com que vinha trabalhando até então", justificou um profissional da mesa para explicar a devolução da queda do dólar na reta final da sessão.

A moeda, que vinha caindo ante uma cesta de divisas, passou a subir depois que o presidente do Federal Reserve de San Francisco, John Williams, disse ver argumentos para alta de juros no país já no encontro de política monetária de março. Foi quando o dólar também devolveu a queda ante o real, no Brasil.

Os investidores seguem atrás de pistas sobre qual será o próximo passo do Federal Reserve, banco central norte-americano, em relação à política monetária no país.

O Fed não deixou claro após o término de sua reunião de política monetária nesta semana a trajetória dos aumentos de juros, limitando-se a sugerir que estava no caminho para subir as taxas neste ano.

Antes disso, o dólar vinha caindo e tinha voltado a flertar com o nível de 3,10 reais após os dados do mercado de trabalho dos Estados Unidos terem trazido sinais mistos.

"Apesar de ter havido aumento da contratação, o dado salarial foi pior. O qualitativo dos dados foi negativo", explicou o economista-sênior do Banco Haitong, Flávio Serrano.

Pelos dados divulgados nesta sexta-feira, apesar de terem sido criadas 227 mil vagas em janeiro, bem acima das 175 mil previstas em pesquisa Reuters, a renda média/hora subiu apenas 0,1 por cento, menos do que o 0,3 por cento estimado.

"Além disso, o rendimento de dezembro foi revisado para baixo", acrescentou Serrano.

A taxa de desemprego também ficou acima do esperado, 4,8 por cento ante 4,7 por cento em pesquisa Reuters, mostrando que mais gente saiu à procura de emprego.

O dado divulgado é mais abrangente do que o Relatório Nacional de Emprego da ADP, que na quarta-feira havia impulsionado o dólar ao informar que o setor privado abriu 246 mil empregos em janeiro, muito acima dos 165 mil estimados pelos economistas ouvidos pela Reuters.

Internamente, a expectativa de ingresso de recursos em razão de novas captações de empresas brasileiras, assim como o otimismo com a aprovação das reformas fiscais após o governo ter garantido aliados nas presidências da Câmara e Senado, contribuíam para o recuo do dólar ante o real na maior parte da sessão.

O Banco Central novamente não fez qualquer intervenção no mercado de câmbio.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos